19:47 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Mascara de Guy Fawkes

    Inteligência russa: ciberataques pretendem provocar revoltas e desastres ecológicos

    © Sputnik / Vladimir Trefilov
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    222

    Especialista diz que hackers atacam infraestruturas críticas e "não são lobos solitários românticos".

    O Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB) descobriu que os autores de ataques cibernéticos tentam acessar a partir "de certos portais de internet corporativos e estatais as instalações de infraestrutura de importância crítica" para tentar provocar "desastres tecnológicos, desastres ecológicos e distúrbios sociais".

    Ivan Minayev, colaborador do FSB, apresentou um relatório sobre o assunto durante a conferência Infoforum 2018, um evento dedicado à segurança da informação, realizado nesta quinta-feira em Moscou.

    Os cibercriminosos "não são lobos solitários românticos, mas grupos organizados com um conjunto de ferramentas tecnológicas muito modernas, cadeias de produção bem gerenciadas e canais para vender seus serviços", alertou o especialista aos jornalistas.

    Minayev confirmou que o funcionamento estável das tecnologias de informação é uma prioridade para o Estado e indicou que o elo mais vulnerável a esses ataques sempre será a "infra-estrutura de telecomunicações compartilhada" por provedores de diferentes serviços de telefonia e Internet.

    Para evitar problemas, é necessário desenvolver um método de proteção, que inclua um sistema estatal de alerta, que funcione de forma semelhante à forma como os feromônios atuam nos animais.

    Mais:

    Hackers ligados a Pyongyang atacam bolsas de criptomoedas na Coreia do Sul
    Bitcoin entra no radar dos hackers da Coreia do Norte
    Os hackers estão, literalmente, de olho no seu voto
    China quer acabar com os hackers e dominar o mundo com a ajuda da física quântica
    Tags:
    hackers, Serviço Federal de Segurança (FSB), Ivan Minayev, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar