05:47 19 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    O genoma humano

    Degradação de genes: será que homens desaparecerão completamente no futuro?

    CC0 / Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    511
    Nos siga no

    O cromossomo Y, responsável pelo desenvolvimento de propriedades sexuais masculinas, desaparecerá dentro de 4,5 milhões de anos, afirma um artigo publicado na edição Science Alert.

    Um dos autores do estudo, especialista em genética Darren Griffin da Universidade de Kent, relata a grande falta deste cromossomo — ao contrário de outros grupos de genes que vêm em par, células humanas contêm apenas um cromossomo Y.

    Por isso, o cromossomo Y não pode ser submetido à recombinação genética que ocorre em cada nova geração levando à eliminação de mutações que afetam os genes.

    Como resultado, a sequência de DNA (genoma) que forma o sexo masculino, entra em degradação com o tempo, desaparecendo do genoma.

    No entanto, as últimas investigações mostram que o cromossomo gera mecanismos que podem desacelerar este processo. Assim, cientistas dinamarqueses descobriram que no cromossomo Y ocorre um processo ativo de amplificação quando aparecem várias cópias de genes responsáveis pelo funcionamento de órgãos sexuais masculinos.

    Além disso, o processo de degeneração é desacelerado pelas estruturas incomuns de palíndromo — sequências de nucleotídeos que podem ser lidas da direita para a esquerda e vice-versa. Caso um gene fique danificado, o palíndromo se recupera, "copiando" a informação da metade preservada.

    O artigo sublinha que mesmo que o cromossomo Y desapareça completamente, o gene SRY que determina o desenvolvimento dos genitais masculinos, pode-se transferir para outro cromossomo que, por sua vez, com o tempo também terá uma falta de recombinação.

    Mais:

    Curte surf? Cuidado, pois você pode acabar sendo vítima de superbactérias
    Economia chinesa supera expectativas e cresce 6,9% em 2017
    Tags:
    genes, genética, DNA, ciência, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar