13:35 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Helicóptero Ansat durante voo de demonstração no evento MAKS 2015 (foto de arquivo)

    Brasília e Moscou expandem comércio na área de helicópteros

    © Sputnik / Vladimir Astapkovich
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    10190

    A Agência Federal de Transportes Aéreos (Rosaviatsiya, no acrônimo russo) da Rússia e a Agência Nacional de Aviação Civil do Brasil (ANAC) expressaram o interesse mútuo em celebrar em breve um memorando de entendimento visando expandir as exportações de helicópteros russos.

    Segundo comunicou a agência russa nesta sexta-feira (12), o respectivo memorando foi entregue pela parte brasileira nesse mesmo dia de manhã.

    "A Agência Federal de Transportes Aéreos e a ANAC confirmaram seu interesse mútuo em um acordo rápido e na celebração de um memorando dirigido ao apoio das exportações de equipamentos aeronáuticos russos, particularmente os helicópteros Ansat e Mi-171А2, bem como à intensificação do trabalho conjunto na área de certificação e apoio à aeronavegabilidade da aviação civil", diz-se no comunicado da entidade russa.

    Hoje em dia, o memorando está sendo discutido com as autoridades interessadas e as respectivas empresas aeronáuticas, adianta-se no documento.

    Os lados também determinaram os passos necessários para o conhecimento mútuo dos procedimentos de certificação em ambos os países.

    A aeronave Kazan Ansat é um helicóptero multifuncional que entrou em serviço em 2013. O Mi-171А2, por sua vez, efetuou seu primeiro voo em 2014. Este helicóptero é um análogo do Mi-8/17, equipado com soluções tecnológicas inovadoras.

    Mais:

    Helicópteros russos serão produzidos na América Latina?
    Nova Rota da Seda chinesa deve inspirar integração na América Latina
    China e Rússia estão muito interessadas em investir na América Latina, afirma Lavrov
    Tags:
    exportações, helicópteros, Rosaviatsiya, Vertolyoty Rossii (Helicópteros da Rússia), Brasil, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik