11:10 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Apocalipse

    'Fim do mundo atrasado': 3 cenários apocalípticos dos cientistas mais notáveis

    CC0 / Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    661

    As previsões sobre o fim do mundo próximo aparecem com muita frequência – só em 2017 o Juízo Final foi prognosticado em agosto, outubro e novembro. Apesar disso, continuamos vivos. Então, durante quanto tempo a humanidade conseguirá sobreviver nesse planeta?

    Vários cenários apocalípticos são considerados não só por astrólogos e adivinhadores, mas também por cientistas. Alguns deles, cujos avanços científicos inspiram confiança, também propõem opções não otimistas quanto ao futuro da humanidade.

    Stephen Hawking

    De acordo com o famoso físico britânico, Stephen Hawking, a humanidade pode desaparecer completamente até 2600. Em sua opinião, o constante crescimento da população do planeta e o aumento do consumo de energia podem resultar na transformação da Terra em uma "bola de fogo ardente" e repetir o destino de Vênus (os cientistas supõem que há 4 bilhões de anos este planeta era semelhante à Terra, ou seja, habitável).

    A única opção nessa situação — buscar outro planeta apto para abrigar a vida, opina Hawking. Nessa conexão, ele recorda que o projeto Breakthrough Starshot, do qual participa, tem como objetivo criar uma frota de naves espaciais capazes de viajar para Alpha Centauri (o sistema estrelar mais próxima do Sistema Solar), e encontrar um planeta parecido com a Terra.

    Superfície do planeta Vênus
    Superfície do planeta Vênus

    Kevin Warwick

    Outro cientista britânico e professor de cibernética, Kevin Warwick, hoje famoso pelo nome de "cyborg humano", pois seu corpo é dotado de chips eletrônicos RFID — Identificação por radiofrequência — (Radio Frequency IDentification, na sigla em inglês). Estes chips permitem transmitir sinais do sistema nervoso para o computador, bem como abrir portas e apagar ou acender a luz.

    Warwick, por sua vez, está absolutamente convencido que, no futuro próximo, os seres humanos deixarão de ser donos da Terra e cederão posições dominantes aos robôs.

    Seu conceito baseia-se principalmente na hipótese de singularidade tecnológica de Raymond Kurzweil. Sua ideia principal é relacionada ao crescimento tecnológico desenfreado da superinteligência artificial, que causará mudanças irreversíveis na civilização humana. Isso significa que no momento certo, quando esta singularidade tecnológica for atingida, ou seja, quando o funcionamento de robôs e maquinaria atingir um nível muito alto, será inacessível ao entendimento humano. Nessa situação, acreditam cientistas, é impossível fazer quaisquer previsões quanto ao futuro.

    De acordo com o próprio Warwick, "o futuro parece ótimo se você é um cyborg ou um robô com inteligência artificial. Se você é uma pessoa comum, seus dias estão contados".

    No entanto, os cientistas estão de acordo quanto à data exata desse avanço tecnológico, mas a maioria opina que isso provavelmente acontecerá entre 2030 e 2045.

    O Exterminador (imagem ilustrativa)
    O Exterminador (imagem ilustrativa)

    Frank Fenner

    Vale ressaltar que o virologista australiano, Frank Fenner, falecido em 2010, cujas pesquisas o permitiram vencer a varíola, também acreditava que a humanidade acabaria dentro de 100 anos.

    "Estamos à beira do desaparecimento. Independentemente do que fazemos agora — já é tarde", confirmou. De acordo com o cientista, as principais causas do desaparecimento da humanidade serão o extremo crescimento da população e "consumo desenfreado".

    Mais:

    Stephen Hawking afirma que Terra irá virar grande bola de fogo
    Stephen Hawking avisa: robôs podem destruir a humanidade
    Stephen Hawking: busca de alienígenas pode levar a catástrofe para humanidade
    Se não colonizar a Lua e Marte, a humanidade pode ser extinta, diz Stephen Hawking
    Tags:
    Juízo Final, humanidade, fim do mundo, apocalipse, inteligência artificial, aquecimento global, robô, previsão, cientistas, Stephen Hawking, Vênus, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik