21:41 11 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Água

    Cientistas revelam que a vida na Terra existe há 3,5 bilhões de anos

    © flickr.com/ Javier Morales
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    120
    Nos siga no

    Geólogos provaram que os fragmentos de grafita formada no leito do oceano primordial 3,5 bilhões de anos atrás, são vestígios da existência de arqueas, uma de duas espécies principais de micróbios na Terra, se lê no artigo publicado na revista PNAS.

    John Valley, da Universidade do Wisconsin-Madison (EUA), explicou que os testes realizados pelos cientistas "revelaram que os fósseis têm origem biológica".

    Os primeiros organismos vivos apareceram na Terra durante o Arqueano, contudo, não há uma opinião comum ente os cientistas em relação ao período exato. Por enquanto, os cientistas dispõem de várias evidências fosseis que os micróbios já existiam no oceano primordial há aproximadamente 3,4 bilhões de anos. Contudo, outros cientistas acreditam que a vida possa ter aparecido bastante mais cedo.

    Três anos atrás, geólogos japoneses, que estudavam jazigos de grafita no território da Gronelândia, encontraram sinais de que a vida podia existir até mais cedo, há 3,7 bilhões de anos. Dois anos atrás, pesquisadores australianos revelaram que a vida podia ter aparecido até mais cedo – quatro bilhões de anos atrás.

    Porém, segundo explicou Valley, muitos geólogos não concordam com estas avaliações e acreditam que a vida tenha aparecido muito mais tarde, de 2,5 a 3 bilhões de anos atrás. Eles criticam os achados deste tipo, assinalando que jazigos de grafita e outras rochas biogenias poderiam ter se formado sem a participação de micróbios e que os vestígios de bactérias e arqueas foram produto da imaginação dos pesquisadores.

    Valley e seus colegas tentaram provar que os céticos não tinham razão. Eles estudaram o conteúdo isotópico e químico dos jazigos de grafita encontrados na Austrália trinta anos atrás.

    Geólogos norte-americanos indicaram que os organismos vivos e seus fósseis são caracterizados por uma proporção especial de isótopos, diferente da que há nos jazigos inorgânicos. Além da origem, é possível identificar a que organismo estes fósseis pertenceram.

    Ao realizar o estudo, os pesquisadores descobriram que os fósseis pertencem a arqueas, parentes afastados dos modernos representantes do micromundo. Além do mais, os cientistas descobriram que estes organismos se alimentavam de metano, que na altura era abundante na atmosfera terrestre.

    Esta descoberta "afasta" o tempo de surgimento de arqueas quase em 800 milhões de anos, já que antigamente os cientistas consideravam que estes organismos teriam aparecido muito mais tarde que as bactérias, há aproximadamente 2,7 bilhões de anos.

    Segundo explicou John Valley, este achado prova que a vida evolucionou de forma bastante mais rápida do que os cientistas consideravam antes, e que ela poderia ter aparecido praticamente na altura do nascimento do planeta.

    Mais:

    Arqueólogos russos encontram restos mortais de 70 vítimas decapitadas em massacre
    No Equador, arqueólogos russos encontram artefatos antiguíssimos
    Arqueólogos russos encontram na Crimeia mansão dos tempos romanos
    Tags:
    vida, terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar