03:10 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Castelo de S. Marcos do século XVII, EUA

    14 mil lugares históricos dos EUA podem desaparecer em menos de 100 anos

    © AP Photo/ Chris O'Meara
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    O estudo científico levado a cabo por diversas universidades norte-americanas concluiu que cerca de 14.000 lugares arqueológicos e monumentos dos EUA poderiam vir a desaparecer dentro de um século debaixo d’água devido a mudanças climáticas.

    Em um estudo publicado pela revista científica PLOS ONE, cientistas previram que o nível do mar poderia aumentar um metro em escala mundial até 2100, o que levaria a uma grande perda de patrimônio cultural mundial.

    Segundo o artigo, o nível do mar implicará a perda de uma grande parcela de lugares históricos, tanto da época pré-colombiana, como a posterior. Alguns dos monumentos mais importantes que poderiam vir a desaparecer correspondem ao Castelo de S. Marcos do século XVII e ao Forte Matanzas, ambos localizados no estado da Flórida.

    Outras zonas que poderiam ser afetadas são os estados costeiros do sudeste norte-americano: Carolina do Norte, Carolina do Sul, Mississippi, Maryland, Alabama, Louisiana e Virgínia. "Há certa preocupação com possível alteração climática global contra nossos antecedentes arqueólogos e históricos", reconhecem os autores do estudo.

    Segundo os cientistas, um em cada dez lugares históricos corre o risco de ficar abaixo d’água. "O aumento do nível do mar nos próximos anos destruirá um grande número de localidades arqueológicas, edifícios, cemitérios e paisagens culturais", assinalou o coautor do estudo, David Anderson, da Universidade do Tennessee.

    Como medida preventiva, os investigadores propõem abrir o debate sobre que instalações poderiam ser salvas através da mudança para locais mais seguros, bem como o início de documentação de localidades históricas que poderiam vir a desaparecer.

    "Aperfeiçoar capacidades informáticas a escala regional e continental é essencial caso queiramos planejar de maneira efetiva e ajudar a aliviar esta perda da história humana", sugere o estudo.

    Mais:

    Cientistas revelam história da misteriosa múmia de 1.900 anos com retrato (VÍDEO)
    'Viajante espacial' mais antiga da história humana dá sinal de vida após 37 anos
    Múmias, monstros e até 'alienígenas': os achados arqueológicos mais macabros da história
    Tags:
    inundação, edifício, cemitério, história, arqueologia, alterações climáticas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar