06:27 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Usina nuclear de Chernobyl antes do acidente de 1986

    Investigação: na usina nuclear de Chernobyl aconteceu explosão nuclear

    © Sputnik /
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    491

    Os vestígios de dois isótopos de xênon, encontrados nos arredores da cidade russa de Cherepovets logo depois do acidente nuclear de Chernobyl evidenciam que a primeira explosão que ocorreu na usina era nuclear, assinala um cientista sueco em um artigo publicado na revista Nuclear Tecnnology.

    "Acreditamos que explosões nucleares, causadas por nêutrons térmicos no fundo de vários canais de combustível, geraram fortes fluxos de combustível nuclear fundido e matéria do próprio reator. Eles romperam as pesadíssimas tampas dos canais, a cobertura do reator e subiram até uma altitude de três quilômetros, onde o vento espalhou suas partículas a levou a outros lugares. A explosão de vapor que rasgou o corpo do reator demorou 2.7 segundos", afirmou Lars-Erik De Geer da Agência para Estudos de Defesa da Suécia.

    Vestígios da catástrofe do século

    O acidente na usina nuclear de Chernobyl ocorreu na madrugada de 26 de abril de 1986, quando operadores da usina estavam realizando um teste de utilização da energia da turbina do reator parado, com vista ao seu arrefecimento e a manter os sistemas de segurança no caso de perda do suprimento externo de energia.

    Desativação do território da usina nuclear de Chernobyl
    © Sputnik / Vitaliy Ankov
    Desativação do território da usina nuclear de Chernobyl

    O começo destes testes fora adiado repetidamente depois de o reator da Unidade 4 ter permanecido desligado, o que, junto com determinadas características de construção do reator, levou ao crescimento da potência, seguida das explosões, destruições e emissão de uma grande quantidade de substâncias radioativas.

    Testemunhas do acidente disseram que tinham ouvido ao menos duas explosões potentes, uma a seguir à outra, recordou de Geer. Segundo cientistas e historiadores, as duas explosões não eram nucleares, já que foram provocadas por falha na circulação de água.

    De acordo com eles, devido ao aumento súbito da potência do reator, a água no sistema de arrefecimento se evaporou quase imediatamente, a pressão nos tubos aumentou e os destruiu, causando assim a primeira explosão. O vapor começou a interagir com o zircônio de substâncias de combustível, o que por sua vez levou à enorme emissão de hidrogênio e à segunda explosão.

    Contudo, de Geer e seus colegas analisaram os dados recolhidos por cientistas europeus e soviéticos logo depois do acidente, e chegaram à conclusão de que o caráter da primeira explosão era completamente diferente.

    A atenção dos cientistas suecos foi atraída pelos isótopos da atmosfera, coletados quatro dias após o acidente. Naquela época, pesquisadores soviéticos encontraram no ar dois isótopos radioativos relativamente incomuns: o 133Xe e o 133mXe, que não existem na natureza e se distinguem pelo seu curto período de semidesintegração.

    Detetive isótopo

    De Geer e seus colegas encontraram as primeiras evidências que provam que a origem deste xênon realmente foi uma explosão nuclear na usina de Chernobyl, analisando as correntes de vento sobre a parte oriental da União Soviética em abril de 1986, e estudando os vestígios da destruição no reator. 

    Casas abandonadas em Chernobyl
    © AFP 2019 / STF
    Casas abandonadas em Chernobyl

    Os cientistas determinaram a hora da emissão de isótopos, que coincidiu com a do acidente.

    Depois, eles estabeleceram que estes isótopos só poderiam ter atingido os arredores de Cherepovets caso tivessem sido expelidos a uma altitude de dois ou três quilómetros. De acordo com os investigadores, somente uma pequena explosão nuclear o poderia ter provocado.

    Além disso, de Geer e sua equipa acreditam que as destruições dentro da usina foram causadas pelo plasma incandescente, expelido por uma explosão nuclear, já que a explosão do vapor não poderia fundir assim as partes da cobertura do reator. 

    Existem outras evidências. Três segundos antes do acidente, as estações sísmicas nas cidades próximas da área registraram abalos leves. Além do mais, testemunhas afirmaram terem ouvido um estrondo e terem visto uma erupção azul, seguida de outra explosão, além da ionização do ar antes da destruição da sala do reator. De acordo com de Geer e seus colegas, estas são evidências de plasma. 

    Segundo os cientistas, esta teoria poderá ser confirmada se forem obtidos dados mais detalhados sobre as mudanças na concentração de isótopos de xênon na atmosfera dos países próximos. Caso as mudanças na concentração de xênon permaneçam, então a sua ideia, segundo de Geer, merecerá existir.

    Mais:

    'Chernobyl de armas' na Ucrânia é mais destrutivo do que guerra em Donbass
    'Chernobyl do exército': explode o maior armazém militar ucraniano (VÍDEO)
    Vírus atinge sistema da usina nuclear de Chernobyl
    Tags:
    explosão nuclear, usina nuclear, Chernobyl, União Soviética
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar