18:01 18 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Cosmonautas da Roscosmos e da NASA partem para missão de quatro meses na Estação Espacial Internacional

    Demasiado arriscado: NASA desiste de enviar tripulantes na ambiciosa missão espacial EM-1

    © NASA . Joel Kowsky
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    840

    A agência espacial dos Estados Unidos não conseguiu fazer as mudanças necessárias para incluir tripulação no primeiro voo do foguete Sistema Espacial de Lançamento, informa o RT.

    Em fevereiro deste ano, a NASA começou a estudar a possibilidade de um voo tripulado a bordo da nave espacial Orion e do foguete superpesado Sistema Espacial de Lançamento (Space Launch System, SLS, em inglês), no âmbito da Missão de Exploração 1 (Exploration Mission-1, EM-1).

    A NASA afirma ser tecnicamente capaz de incluir uma tripulação na EM-1, mas, após análises realizadas pelos especialistas da agência, foi decidido continuar desenvolvendo o projeto de voo não tripulado.

    "Depois de ponderar os dados e avaliar todas as implicações, a agência continuará efetuando o plano original do primeiro lançamento […] sem tripulação", diz o comunicado da NASA, citado pelo RT.

    Além disso, a data do primeiro lançamento ainda não está clara: os dados recentes indicam que o voo não pode ser realizado antes de junho de 2020.

    No entanto, o administrador interino da agência, Robert Lightfoot, expressou a esperança de que alguns dos riscos estimados não se venham a verificar e, por isso, o lançamento poderia ser efetuado em dezembro de 2019.

    Apesar disso, a agência assegura que continuará coletando dados para que seus engenheiros consigam "estender a presença humana ao longo do Sistema Solar". Uma das tarefas da missão EM-1 é um voo a Marte.

    Mais:

    Espaço sideral traz vestígios 'gritantes' de 7 radiogaláxias gigantescas
    Avião rumo à órbita terrestre: China planeja dominar espaço em breve
    Tags:
    voo, missão espacial, exploração, espaço, NASA, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik