17:42 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Silhuetas de policiais em frente à Grande Pirâmide do Egito (foto de arquivo)

    Câmara secreta: pesquisadores descobrem cavidade misteriosa na Grande Pirâmide egípcia

    © AP Photo / Hassan Ammar
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    2171

    Cientistas descobriram uma "cavidade" misteriosa dentro da grande Pirâmide de Gizé no Egito, mas ainda desconhecem para que servia esta estrutura, informa o jornal Diário de Notícias.

    A descoberta foi feita graças a um método inovador de captura de imagens baseado em raios cósmicos, informa o jornal. A chamada tomografia de múons é capaz de seguir as partículas que bombardeiam a terra e podem penetrar profundamente em objetos sólidos.

    Os pesquisadores afirmam que a estrutura descoberta tem ao menos 30 metros de comprimento, sendo apenas uma de varias passagens dentro da antiga pirâmide gigantesca, que é considera a última das sete maravilhas do passado.

    No entanto, os cientistas ainda não sabem o objetivo, as dimensões e o possível conteúdo do espaço descoberto, chamando-os de "cavidade" ou "vazio".

    "O que temos certeza é que este grande 'vazio' existe, é impressionante, e que não era abordado por nenhuma teoria que eu conheça", disse Mehdi Tayoubi, um dos líderes do estudo e cofundador da colaboração internacional Scan Pyramids, citado pelo jornal.

    O projeto Scan Pyramids utiliza tecnologia não invasiva para explorar a estrutura interna das pirâmides do Egito e encontrar câmaras escondidas.

    Os múons são partículas elementares produzidas pela interação entre raios cósmicos do espaço e átomos da atmosfera terrestre, conseguindo penetrar a superfície de nosso planeta de modo profundo.

    Mais:

    Achado misterioso nas 'minas do rei Salomão' deixa cientistas perplexos (FOTOS)
    Solitária e sem flores: sepultura obscura no Uruguai gera hipóteses místicas (FOTO)
    Tags:
    raios cósmicos, tecnologias modernas, pirâmide, descoberta, Egito, África
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik