07:03 28 Março 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    220
    Nos siga no

    O vice-presidente de publicidade do Facebook, Rob Goldman, anunciou em uma declaração que todos os que publicam anúncios nas mídias sociais teriam que divulgar suas identidades.

    "No que diz respeito à publicidade no Facebook, as pessoas devem poder saber quem é o anunciante e ver os anúncios que estão executando, especialmente para anúncios políticos", disse Goldman na sexta-feira. "A partir do próximo mês, as pessoas poderão clicar em 'Exibir anúncios' em uma página e exibir anúncios que ela está executando, independentemente desta pessoa pertencer ou não ao público-alvo pretendido para o anúncio".

    Goldman explicou que o lançamento do novo programa Transparência em publicidade começará com o Canadá, onde o Facebook já está experimentando assuntos relacionados às eleições.

    "Durante o verão de 2018, o Facebook implementará o programa nos Estados Unidos antes das eleições de meio período", afirmou Goldman. "Isso também ativará o esforço em outros países".

    Além disso, o gigante das redes sociais está planejando construir um banco de dados de propaganda política de eleições federais dos EUA para fins de arquivamento e pesquisa, segundo o comunicado.

    Goldman apontou que o banco de dados pesquisável incluirá os montantes totais gastos em propagandas e a demografia daqueles que os viram. Os anunciantes políticos terão que fornecer documentação que revele suas identidades.

    "Vamos exigir uma documentação mais detalhada dos anunciantes que desejam executar anúncios relacionados a eleições", disse Goldman, acrescentando que os anunciantes terão que incluir uma divulgação em seus anúncios relacionados às eleições o campo "Pago por" e a informação será verificada.

    Ele disse que quando os usuários clicarem na divulgação, eles poderão ver detalhes sobre o anunciante e "como outros anúncios no Facebook, você também poderá ver uma explicação sobre por que você viu esse anúncio em particular".

    O anúncio do Facebook vem em destaque à recusa do Twitter em implementar propagandas de notícias russas do canal RT e da agência de notícias Sputnik. O Twitter citou as descobertas do relatório de inteligência dos EUA de que os dois veículos faziam parte de uma campanha coordenada para influenciar o processo eleitoral dos EUA.

    Tags:
    propaganda, Twitter, Sputnik, RT, Facebook, Rob Goldman, Canadá
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar