04:04 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Trilhos atravessam estrada (imagem ilustrativa)

    Primeiro trem sem trilhos começa a funcionar na China (VÍDEO)

    CC0 / FotoArt-Treu / Transporte
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    5220

    O primeiro trem que trafega por "trilhos inteligentes" foi lançado em 23 de outubro na cidade chinesa de Zhuzhou.

    O veículo foi desenvolvido pelo Instituto de Pesquisas de Zhuzhou (China), da empresa CRRC. Esse trem não requer trilhos comuns, pois utiliza "trilhos virtuais" e é controlado por um sistema centralizado, informa a edição Global Times.

    ​China realiza teste do primeiro trem sem trilhos

    Os "trilhos inteligentes", que atualmente funcionam em regime de teste, localizam-se ao longo da estrada principal de Zhuzhou. O trem mede 31,64 metros de comprimento e 2,65 metros de largura. É capaz de alcançar a velocidade de 70 km/h e transportar até 300 passageiros.

    Esse trem sem trilhos necessita apenas de dez minutos de carga para transitar e percorrer até 25 km em regime autônomo.

    Suas habilidades "inteligentes" não se limitam a isso. Esse veículo também é capaz de detectar ameaças ao seu redor e dentro dos seus vagões.

    De acordo com os especialistas, a construção de uma linha demora apenas um ano. Além disso, eles indicam que o custo deste tipo de transporte é significativamente mais barato que o de ferrovias tradicionais. Está previsto que o trem funcione em modo semiautomático já em 2019, enquanto a versão sem maquinista poderá ser lançada em 2020.

    Mais:

    Assim se vive na Índia: Trem 'inunda' passageiros de água
    China desenvolve trem que pode atingir velocidade superior à dos caças
    Dezenas de chineses balançam trem para salvar passageiro no metrô
    China lança trem suspenso mais rápido do país (VÍDEO)
    Em Nova York, trem faz passageiros tomar banho de neve (VÍDEO)
    Tags:
    trilhas, passageiros, estrada, transporte de passageiros, cidade, trem, avanço, tecnologia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar