19:01 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Sinais espaciais

    Confira 'descoberta sem precedentes' de um fenômeno misterioso!

    CC0 / Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    5154

    Aqui são apresentadas "observações revolucionárias" de um fenômeno astronômico sem precedentes.

    Os astrônomos que estudam ondas gravitacionais planejam revelar ao público seu anúncio misterioso do que consideram ser um "descobrimento sem precedentes" nunca antes visto, informa o Observatório Europeu Austral (ESO, sigla em inglês).

    A declaração será apresentada pelos cientistas que fazem parte do Observatório de Interferometria Laser de Ondas Gravitacionais (LIGO, sigla em inglês) nos Estados Unidos e do projeto Virgo na Europa, com três detectores que "ouvem" as ondas gravitacionais.

    Nas últimas semanas tem havido rumores que o LIGO descobriu algo de intrigante. Mas as coisas se tornaram mais sérias quando um astrônomo da Universidade do Texas tweetou "Novo LIGO" e fez referência a um componente óptico, o que pode significar que o detector encontrou algo mais interessante que a fusão de um buraco negro.

    ​Novo LIGO. Fonte com contraparte óptica. Vai deixá-lo louco!

    Alguns especialistas sugerem que a agitação foi provocada pela detecção de duas estrelas de nêutrons que colidiram, enquanto outros acreditam que o LIGO pode lançar luz sobre a matéria escura, que em teoria poderia ser composta por buracos negros primordiais criados logo depois do Big Bang.

    Mais:

    NASA descobre em Marte informações 'chave' sobre origem da vida na Terra
    O 'lado' mais oculto da Lua: amostras com 45 anos surpreendem NASA
    Casa Branca pede à NASA planos para levar homem de volta à Lua e visitar Marte
    Cientistas continuam perplexos com misteriosos 'sinais de rádio extraterrestres'
    Quão populares somos? Terra recebeu 15 sinais enigmáticos de outra galáxia
    Tags:
    buraco negro, matéria escura, ondas gravitacionais, fenômeno, anúncio, descoberta, espaço, Big Bang, ESO, Europa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik