20:18 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Discurso do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, na Cerimônia de Abertura da 19ª Edição do Futurecom

    Internet das Coisas: Brasil quer protagonismo em setor que pode movimentar US$ 11 trilhões

    Marcos Corrêa/PR
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    720
    Nos siga no

    O governo divulga nesta terça-feira o seu documento final do Plano Nacional de Internet das Coisas, que traz as diretrizes para a criação de novas tecnologias de IoT (Internet of Things) no Brasil entre 2018 e 2022. Embora com um longo caminho a percorrer, o país possui a ambiciosa meta de ser um dos líderes na área.

    Em discurso na abertura da Futurecom, maior feira de Tecnologias da Informação e Comunicação da América Latina, ontem, em São Paulo, o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, disse que, cada vez mais, o país se iguala aos outros em termos de tecnologia e que essa é a "bola da vez" para o Brasil. Já o presidente Michel Temer destacou a necessidade de garantir que os avanços tecnológicos cheguem a todos, aumentando cada vez mais o número de pessoas conectadas. 

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o professor Eduardo Magrani, pesquisador do Centro de Tecnologia e Sociedade (CTS), da Escola de Direito da Fundação Getulio Vargas, explicou que o governo brasileiro pretende se antecipar na regulação da Internet das Coisas tentando aproveitar todo o potencial desse segmento, caracterizado por uma revolução tecnológica que busca criar uma rede de transmissão de dados utilizando os mais diversos objetos e estruturas do dia a dia. Segundo ele, as estimativas são a de que esse setor gere até 11 trilhões de dólares até 2025, e com cerca de 50 bilhões de dispositivos conectados até 2020. 

    "Tanto o governo brasileiro quanto as empresas estão atentos a todo esse potencial. E, para cumprir isso, a gente precisa de uma boa regulação de todo esse cenário", afirmou, destacando que a ideia de se regular algo tão complexo acaba envolvendo diversas áreas, também implicando na questão de riscos à privacidade e à cibersegurança. 

    De acordo com o especialista, para o Brasil, o desafio se dá tanto no lado econômico quanto no que diz respeito à velocidade. Para ele, o governo brasileiro demorou muito para tentar efetivamente dar acesso à internet às pessoas, algo que já é considerado um direito fundamental. 

    "A gente teve a tentativa de implementação do chamado Plano Nacional de Banda Larga, que foi um fiasco no Brasil. Não conseguiram levar a internet com velocidade suficiente. E a razão foi a demora na implementação desse plano. O acesso à internet, hoje, é um direito fundamental, já é considerado um direito humano, mas o governo demorou tanto para implementar isso que, quando saiu, a velocidade que entregaria seria irrisória para os usos que a gente tem hoje, que demandam uma velocidade maior na internet."

    Apesar dos problemas apontados, Magrani acredita que o ambicioso plano brasileiro de se tornar um protagonista nessa área não é impossível de se colocar em prática, principalmente porque há muitas companhias interessadas em fazer com que isso dê certo. 

    "Várias empresas têm interesse inclusive em fornecer esse acesso à internet. A gente tem, hoje, o Google jogando balão de 3G na estratosfera, levando internet aos cantos mais remotos do globo. A gente tem o Facebook, com iniciativas como o Internet.org (que até mudou de nome recentemente), que tenta também fazer esse acesso chegar às pessoas. A questão é a gente entender exatamente como funcionam essas iniciativas para que não se prejudique o consumidor", acrescentou, explicando que outros países, mais avançados em termos tecnológicos, estão na mesma página do Brasil, ainda pensando em uma regulação adequada para a Internet das Coisas, "dada a sua complexidade". 

    Mais:

    Rússia desenvolve canal de Internet alternativo para Coreia do Norte
    Trump propõe 'cortar' a internet para combater o terrorismo
    Tags:
    Internet das Coisas, tecnologias, Internet, Futurecom, Google, Facebook, FGV, Gilberto Kassab, Michel Temer, Eduardo Magrani, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar