18:49 16 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Uma estrela cadente cruza o céu noturno atrás do farol em Pilsum, Alemanha do noroeste

    Cientistas continuam perplexos com misteriosos 'sinais de rádio extraterrestres'

    © AFP 2017/ MATTHIAS BALK / DPA
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    10162

    As misteriosas rajadas rápidas de rádio, potenciais "sinais extraterrestres", não são acompanhadas por fluxos de neutrino, o que as torna ainda mais enigmáticas, afirmam astrônomos em um artigo, publicado no Astrophysical Journal.

    "Neutrino espacial e rajadas rápidas de rádio são os dois enigmas mais interessantes do Universo no momento. Acreditamos que possam estar ligados entre si. No entanto, tal ligação não existe, o que indica que buracos negros e erupções de raios gama não sejam as fontes desses sinais de rádio", afirmou Justin Vandenbroucke da Universidade de Wisconsin-Madison (EUA).

    Pela primeira vez, astrônomos começaram a estudar misteriosas rajadas rápidas de rádio (fast radio-burst, FRB, em inglês) em 2007, quando as últimas foram descobertas por acaso durante observações através do telescópio Parkes (Auatrália).

    Nos próximos anos, cientistas conseguiram encontrar traços de mais nove erupções semelhantes, cujo estudo mostrou que podem ser de origem artificial, não sendo excluída, assim, a possibilidade de serem sinais de civilizações extraterrestres devido à periodicidade de sua estrutura.

    Mais posteriormente, astrofísicos descobriram que sinais FRB são repetitivos, encontrando outras propriedades extraordinárias dos mesmos, incompatíveis com as versões sobre origem natural das erupções.

    Vandenbroucke e seus colegas observaram as erupções com o telescópio de neutrinos IceCube no Polo Sul e descobriram novas provas de que buracos negros e fortíssimas explosões de estrelas não podem originar estes sinais de rádio enigmáticos.

    Ao realizarem observações, cientistas se basearam em um princípio simples — a maioria das "explosões espaciais" é acompanhada por grandes emissões de neutrino. Deste modo, se as rajadas FRB fossem originadas naturalmente, seriam acompanhadas por um fluxo de neutrino de força igual.

    No total, a equipe de cientistas do IceCube e astrônomos do observatório Parkes conseguiram seguir 30 sinais de rádio, inclusive 17 que vieram de um mesmo lugar.

    Em nenhum dos casos, o radar especial detectou traços destas partículas "que sempre escapam" (neutrino). Isso prova que erupções de raios gama, supernovas e buracos negros não podem ser fontes destes "sinais extraterrestres".

    Por sua vez, comenta Vandenbroucke, após esta descoberta, os cientistas estão mais próximos de descobrir a origem destas erupções. Estão mais misteriosas, pois a partir de agora uma séria de astros não pode servir de fonte.

    A equipe de IceCube planeja em breve realizar mais uma série de observações por erupções FRB para detectar suas fontes de origem.

    Mais:

    Câncer cósmico ameaça missão tripulada para Marte
    Perigoso, mas encantador: Cores brilhantes das tempestades de Júpiter (FOTOS)
    Tags:
    buracos negros, enigma, sinais, extraterrestre, erupção, Espaço, Austrália, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik