09:05 26 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Sol

    Determinada data do colapso da civilização humana!

    CC0 / Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    13152

    Fulguração solar poderá causar danos significativos à vida na Terra.

    De acordo com os cientistas, a superfulguração do Sol que emite cerca de 1034 ergs — unidade de medida — de energia, ocorre aproximadamente a cada 2.000 anos. Pela última vez, o fenômeno astronômico teve lugar há 775 anos e, de acordo com a nova investigação, acontecerá novamente daqui a uns 750 anos.

    Chegamos à conclusão que o risco das superfulgurações não tem sido estimado de modo suficiente e a humanidade poderá se tornar testemunha de um acontecimento desses nos próximos 1.000 anos, o que poderá causar perdas econômicas e tecnológicas devastadoras, revela o estudo publicado no portal russo Lenta.

    Tendo em conta que a energia dessas fulgurações não é suficiente para causar danos significativos ao ecossistema do nosso planeta, as estruturas tecnológicas, por sua vez, podem ser seriamente afetadas. Em particular, as superfulgurações solares podem desativar completamente os satélites localizados perto da Terra e as redes elétricas do nosso planeta.

    A camada de ozônio da Terra, que protege a biosfera da radiação ultravioleta, poderá ser afetada consideravelmente por tal superfulguração. E o excesso de radiação provocaria o superaquecimento das camadas altas da atmosfera, a eliminação dos organismos fotossintéticos e a degradação do ADN, avisa a investigação realizada por Manasvi Lingam e Abraham Loeb e publicada na página da Universidade de Cornell.

    Mais:

    Astrônomos mostram como Sol faz colapsar sua própria erupção (VÍDEO)
    Que está acontecendo? Gigantesca nave extraterrestre parece se abastecer do Sol (VÍDEO)
    Extraterrestres moram perto da Terra e têm seu próprio Sol?
    NASA encontra mancha colossal no Sol (VÍDEO)
    Tags:
    erupção solar, humanidade, vida, camada de ozônio, atmosfera, radiação, perigo, Sol, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar