06:05 23 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Um pulsar - estrela de nêutrons muito pequena e muito densa

    Confira os participantes da 'guerra das galáxias' da Via Láctea!

    © AP Photo / NASA, JPL-Caltech
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 12
    Nos siga no

    Um grupo de cientistas "redescobriu" uma estrela da Via Láctea, localizada na constelação de Scorpius, que foi um campo de batalha entre duas "anãs cósmicas", informa à Sputnik o astrônomo sul-africano David Buckley.

    De acordo com o especialista, uma dessas estrelas é uma anã branca pulsar. Os pulsares são estrelas de nêutrons muito pequenas e muito densas. Os pulsares podem apresentar um campo gravitacional até 1 bilhão de vezes maior que o campo gravitacional terrestre. Eles provavelmente são restos de estrelas que entraram em colapso, fenômeno também conhecido como supernova.

    Buckley sublinha que esse astro brilhante foi descoberto por cientistas soviéticos em 1971, embora suas características únicas só tivessem sido reveladas 40 anos depois, quando os astrônomos registraram as pulsões periódicas produzidas pela anã.

    "Trata-se de um objeto realmente único que tem todas as caraterísticas de um pulsar, mas não é", indica o cientista.

    Ao observar a estrela, os cientistas concluíram que esta é composta por duas partes: anãs branca e vermelha, cuja interação causa erupções.

    "Atualmente nos interessa mais saber se no Universo há outros objetos semelhantes a este", destacou, confirmando que os cientistas tencionam buscar corpos celestes análogos e examiná-los.

    Mais:

    Rumo ao desconhecido: nave espacial da NASA parte para misteriosa 'terceira zona'
    Estação Espacial Internacional terá o computador mais poderoso que já saiu da Terra
    Extraterrestres moram perto da Terra e têm seu próprio Sol?
    'É perto para caramba': asteroide se aproximará da Terra em breve
    Tags:
    estrela anã, restos, pulsares, Via Láctea, universo, colapso, galáxia, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar