14:42 28 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    711
    Nos siga no

    Desde o ano de 1996, quando os cientistas britânicos conseguiram clonar a famosa ovelha Dolly, a humanidade já deu um grande passo em frente, e até hoje já foram criadas dúzias de animais criados artificialmente.

    Na semana passada, o mundo conheceu o primeiro cachorro do mundo criado usando a técnica de inativação de um gene e que se chama Long Long.

    Correspondentes da Sputnik China visitaram em Pequim o laboratório da empresa de biotecnologia SinoGene, onde nasceu Long Long, para esclarecer por que os cientistas chineses escolherem um cachorro como objeto do experimento, e para que eles fizeram isso.

    Mi Jidong, o chefe da SinoGene, e o vice-diretor, Zhao Jianping, realizaram uma excursão para os jornalistas da Sputnik China, que foram surpreendidos ao verem não só Long Long, mas mais dois cachorros clones absolutamente idênticos.

    A criação de um cachorro clone geneticamente modificado leva por volta de 2 meses ou mais. Segundo Zhao Jianping, os cachorros GM mantêm a capacidade de se reproduzir e a partir da idade de 10 meses já se podem multiplicar. As novas gerações terão os mesmos genes que seus pais.

    Cachorros do laboratório da empresa de biotecnologia SinoGene
    © Sputnik / Irina Gavrikova
    Cachorros do laboratório da empresa de biotecnologia SinoGene

    Mi Jidong disse que, em geral, a duração da vida dos cachorros geneticamente modificados equivale à duração dos cachorros comuns.

    A mídia já batizou Long Long de "supercachorro", mas os funcionários da SinoGene não estão de acordo com esta formulação.

    A modificação de genes tem um significado grande para o desenvolvimento da medicina, segundo os funcionários do laboratório, isto ajudará a curar tumores ou doenças genéticas.

    "Por exemplo, é possível estudar os efeitos de várias drogas e testar elas usando modelos de animais. Anteriormente, os cachorros raramente têm participado de tais pesquisas, por que o processo de modificação de genes de um cachorro é bastante difícil. Realizamos tais pesquisas porque os processos de evolução de uma doença de um cachorro e de um humano são semelhantes, os genes também são parecidos", disse Mi Jidong.

    Em particular, os cientistas já estudaram usando cachorros doenças tais como a aterosclerose, autismo, distrofia muscular e diabetes.

    Falando sobre o lado moral, os cientistas dizem que lamentavelmente o desenvolvimento da ciência e da medicina exige sacrifícios.

    Especialistas dizem que no futuro eles vão tentar modificar os genes de gatos.

    © Sputnik . Irina Gavrikova
    Fábrica de clones na China

    Mais:

    Polvos revelam sua inteligência excepcional… a ponto de mudarem seus próprios genes
    Cientistas descobrem genes zumbi
    Cientistas: sinais de rádio da constelação de Áries podem ser enviados por ETs
    Tags:
    genes, Ciência e Tecnologia, cachorro, Pequim, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar