02:55 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Sercanias do grande buraco negro, no coração da galáxia ativa NGC 3783, na constelação sulina do Centauro

    Quer um antiácido? Buraco negro supermaciço é detectado sofrendo de 'indigestão'

    © AFP 2019 / EUROPEAN SOUTHERN OBSERVATORY
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    Quando você tem uma indigestão após comer algo errado, sempre pode tomar um antiácido. Mas o que fazer quando o doente que sofre de indigestão é um buraco negro supermaciço 19 vezes maior do que o Sol?

    O buraco negro com problemas de estômago é o centro da galáxia NGC 5195, localizada a 26 milhões de anos-luz da Terra. Anteriormente, astrônomos observaram algumas tendências estranhas na galáxia e na sua vizinha, uma galáxia ainda maior NGC 5194, também conhecida como a Galáxia do Rodamoinho. A fusão das duas acontecerá em bilhões de anos, mas, ultimamente, as galáxias têm interagido constantemente.

    A razão disso é que o centro do buraco negro da NGC 5195 está sofrendo de "indigestão especial" ao "vomitar" parte da matéria capturada em sua gravidade a alta velocidade. Buracos negros supermaciços estão quase sempre rodeados pelo que se chama o disco de acreção: uma nuvem ou matéria presa em sua órbita, sendo puxado lentamente.

    Porém, como a 5195 está fundindo com a Galáxia do Rodamoinho, a cada centena de milhões de anos o buraco negro ultrapassa a galáxia vizinha e suga um volume gigantesco de matéria. Este volume é tão grande que até o monstruoso buraco negro supermaciço não consegue lidar com ele. Quando a matéria aflui ao buraco negro, parte da matéria da estrela e da interestrelar colide uma com a outra. Isso provoca uma onda de choque e o buraco negro põe para fora a matéria acumulada a uma velocidade incrível.

    Os cientistas já sabiam sobre a interação entre as galáxias, mas o estudo do Centro Jodrell Bank de Astrofísica da Universidade de Manchester, Reino Unido, revelou novos fatos.

    A nova teoria, de acordo com o encarregado do estudo, Hayden Rampadarath, explica de modo simples os fenômenos detectados antes. Por exemplo, o observatório de raios X Chandra tinha observado arcos de raios X de grande escala, emitidos do buraco negro, enquanto o telescópio Hubble observou um nível extremamente elevado de estrelas novas, que estão se formando na 5195 e na Galáxia do Rodamoinho.

    "Os arcos na NG 5195 têm 1 a 2 milhões de anos", escreve Rampadarath. "Para ter uma ideia, os primeiros traços da matéria foram expulsos do buraco negro quando nossos antepassados estavam aprendendo a fazer fogo. O fato de podermos observar este evento agora através de várias ferramentas astronômicas é muito notável", disse o cientista, de acordo com o portal da Real Sociedade Astronômica (Royal Astronomical Society, em inglês).

    Mais:

    Confira estrela 1.400 vezes maior do que Sol (FOTO)
    Urano: o planeta recordista em número de catástrofes
    Tags:
    indigestão espacial, galáxias, buraco negro, Espaço
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar