15:38 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Zona de exclusão perto da central nuclear de Chernobyl

    Físicos sul-coreanos desenham detector remoto de 'bombas' radioativas

    © Sputnik/ Grigoriy Vasilenko
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    220421

    Cientistas sul-coreanos inventaram um novo método para detectar materiais radioativos a uma distância até um quilômetro utilizando ondas eletromagnéticas pulsadas, informou a revista científica Nature Communications.

    "Há dois anos, o mundo ficou chocado com a notícia que um drone tinha largado areia radioativa sobre a residência do premiê japonês. É impossível detectar tais bombas sujas com antecedência, usando os detectores atuais, por estes não conseguirem funcionar longe da fonte de radiação", disse Eunmi Choi, pesquisadora do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Ulsan, à revista. 

    Detectores de radiação convencionais, tais como os contadores Geiger-Muller e detectores de câmaras de ionização, são capazes de detectar radiação quando estão perto da fonte, mas quando estão mais longe, ou o nível de radiação é baixo, os resultados são limitados, o que torna a detecção das chamadas "bombas sujas" muito complicada.

    Tentando encontrar uma solução para o problema, Choi e seus colegas descobriram que os elétrons produzidos por materiais radioativos podem gerar potentes raios de radiação eletromagnética e nuvens de plasma criados pelos últimos.vencao-

    Mesmo um só elétron, entrando nesta nuvem de plasma, produz uma descarga elétrica, formando assim ondas secundárias.

    Elétrons livres estão sempre presentes no ar, mas são poucos e dispersos.

    Os cientistas determinaram que se focassem o raio de radiação eletromagnética em uma área relativamente estreita, eles poderiam assegurar quase a 100% a entrada de elétron na nuvem de plasma graças à proximidade de materiais radioativos.

    Eunmi Choi e sua equipe testaram essa ideia disparando um gerador de alta potência de radiação de micro-ondas, conhecido como girotron, em uma antena, que reflete as ondas para a fonte.

    Se qualquer material radioativo estiver presente, é criado plasma, que é quebrado pela radiação produzindo elétrons livres detectáveis.

    Policia municipal no México
    © AFP 2017/ JIM WATSON / AFP
    Os testes mostram que essa combinação de equipamentos pode detectar até vestígios de cobalto-60 com uma massa de 500 nanogramas a uma distância de cerca de um metro com quase 100% de precisão.

    A cientista sul-coreana e seus colegas acreditam que usando antenas com um diâmetro de 1,2 metros se poderia detectar a mesma quantidade de material físsil à distância de um quilômetro.

    Esse método poderia ser útil quando se trata de "bombas sujas" e também ajudar a prevenir as consequências de acidentes e derramamentos em usinas nucleares, informa a revista

    Facebook

    Procure a página Sputnik Brasil no Facebook e descubra as notícias mais importantes. Curta e compartilhe com seus amigos. Ajude-nos a contar sobre o que os outros se calam!

    Mais:

    Europa é atingida por misterioso aumento nos níveis de radiação
    Tags:
    Física Nuclear, radiação, detector de bombas, Coreia do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik