11:06 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    O vídeo oficial do projeto mostra uma nave espacial lança uma sonda para explorar o espaço aéreo

    Stephen Hawking: restam apenas 100 anos para salvar humanidade

    © Screenshot: SpaceResources.lu
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1691
    Nos siga no

    A humanidade enfrenta várias ameaças. Vários cenários podem levar ao desaparecimento da nossa espécie humana tais como epidemias, as alterações climáticas e a sobrepopulação.

    Segundo Stephen Hawking, é preciso proceder à evacuação da população humana sem demora, porque dentro de 100 anos vai ser tarde demais…

    O novo documentário batizado de "Stephen Hawking: Expedition New Earth" com a participação do famoso astrofísico, dedicado à colonização de outros planetas pela humanidade, será realizado nos próximos meses. Segundo Hawking, a humanidade deve abandonar o planeta o mais rapidamente possível para colonizar o espaço nos próximos 100 anos porque ela ficará ameaçada de extinção total.

    O astrofísico afirma que são os planetas e os satélites no nosso Sistema Solar que devem ser colonizados primeiro.

    ​Segundo ele, este é o único caminho para se salvar do desaparecimento a espécie humana.

    Esta não é a primeira vez que o cientista britânico apresenta tal previsão negativa. Contudo, anteriormente ele era mais otimista, evocando o período de um milênio em vez de um século, como refere agora.

    ​De acordo com o astrofísico britânico que tem estudado a questão durante anos, as ameaças, além das mencionadas, são numerosas. Os fatores de risco incluem a possibilidade de uma guerra nuclear, os avanços tecnológicos ou a exaustão de recursos.

    Mais:

    Amizade ou escravidão: o que humanidade pode esperar do encontro com extraterrestres?
    NASA: Humanidade está à beira da descoberta de vida extraterrestre
    Tags:
    previsão, cientistas, astrofísica, ameaça, humanidade, população, evacuação, opinião, documentário, Stephen Hawking
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar