19:57 12 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    23371
    Nos siga no

    Uma equipe de cientistas russa está elaborando um revolucionário dispositivo de armazenamento de dados indestrutível e resistente até a incêndios. Esta memória "eterna" permitirá guardar informações durante séculos e utilizá-la de forma ilimitada, declarou à Sputnik Petr Khenkin, que chefia a investigação.

    O projeto está sendo desenrolado pela Fundação de Investigações Avançadas (FPI, na sigla em russo) junto com o Ministério da Educação e Ciência russo e a Universidade Mendeleev. A investigação científica visa criar uma memória ótica nas nano-grelhas do cristal de quartzo.

    Segundo o especialista, um dispositivo deste tipo poderia servir para armazenar dados infinitamente.

    "Estamos elaborando um novo tipo de memória que não vai requerer nem voltar a gravar as informações em outros dispositivos, nem ter que se preocupar com as condições especiais de armazenamento. Também estamos trabalhando nas tecnologias para gravar e extrair a informação guardada", comunicou Khenkin.

    Estes gadgets serão resistentes a condições climáticas extremas, agentes químicos agressivos, vários tipos de radiação ionizante, cargas estáticas e temperaturas elevadas, inclusive a incêndios, segundo garantem os especialistas da FPI.

    Finalmente, se espera conseguir uma enorme densidade de dados, o que implica que se possam armazenar grandes quantidades de informação em pouco espaço físico.
    Por acaso ou não, o dia em que foi revelado o projeto coincidiu com o Dia dos Trabalhadores dos Arquivos, que se celebra na Rússia em 10 de março. A criação de um portador de dados indestrutível e imune à degradação física terá um grande impacto na indústria de proteção e armazenamento de informação.

    Mais:

    Quando vão os robôs substituir jornalistas?
    Cientistas registram atividade cerebral após a morte
    Maior falha do Nokia 3310 é revelada
    Tags:
    inovação, dispositivo, Ciência e Tecnologia, informações, armazenamento de dados, memória, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar