02:09 20 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Lua vista em um monte na Bielorrússia

    Como a Terra mudaria se a Lua fosse destruída?

    © AFP 2017/ SERGEI GAPON
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1212692

    A Lua exerce uma enorme influência sobre vários processos em nosso planeta. A pergunta "o que aconteceria se ela desaparecesse?” não podia ficar sem atenção dos cientistas e amadores.

    A Lua é o maior satélite natural, em comparação com outros, em relação ao seu planeta, e, certamente, a sua destruição poderia causar um cataclismo global capaz de mudar o nosso mundo de uma forma capital, escreve o astrofísico Ethan Siegel em seu blog Stars with a Bang no site da revista Forbes.

    1. Destroços da Lua acabariam na Terra 

    Caso uma explosão apocalíptica destrua a Lua, de acordo com Siegel, várias pequenas "luas" se formariam ao redor da Terra. Passado um tempo, os restos da Lua colidiriam com o planeta.

    Mas o poder do impacto seria muito menor do que a dos asteroides ou cometas, destaca o astrofísico.

    "Sim, eles teriam um grande potencial destrutivo, mas teriam apenas 1% da potência de um asteroide deste tamanho… A humanidade poderia sobreviver", diz ele.

    2. Céu noturno seria muito mais brilhante

    O brilho da Lua é o segundo mais forte para quem está na Terra, superado apenas pelo próprio Sol. Enquanto o Sol é 400.000 vezes mais brilhante do que a Lua cheia, a Lua cheia é 14.000 vezes mais brilhante que o próximo objeto mais brilhante no céu: Vênus.

    Assim, sem a Lua, mesmo as estrelas distantes seriam muito mais visíveis de noite.

    Céu noturno seria muito mais brilhante
    © Sputnik/ Vladimir Smirnov
    Céu noturno seria muito mais brilhante

    3. Não haveria mais eclipses

    Qualquer eclipse requer um sistema de três elementos: a estrela e dois corpos celestes. Sem a Lua, o terceiro componente não existiria. Bem, então, adeus eclipses.

    4. Duração do dia seria constante

    A gravidade da Lua exerce uma fraca influência na dinâmica da Terra, diminuindo sua rotação. O dia "perde" um segundo por uns séculos, mas este efeito acumula-se ao longo de bilhões de anos.

    O nosso dia de 24 horas era apenas de 22 horas durante a época dos dinossauros, e era menos de 10 horas há alguns bilhões de anos atrás, diz Siegel, mas sem a desaceleração por causa da Lua, o fenômeno deixaria de existir.

    5. As marés seriam insignificantes

    A gravidade da Lua influencia as marés muito mais do que a gravidade do Sol. Com o desaparecimento da Lua as marés seriam sempre de mesmo tamanho.

    6. Inclinação axial seria instável

    A obliquidade é o ângulo de inclinação da Terra em relação à eclíptica – a linha curva onde o Sol "passa" ao redor da Terra em seu "movimento aparente" visto da Terra.

    Embora este parâmetro tenha mais a ver com o Sol do que com a Lua, o satélite da Terra estabiliza o eixo da rotação terrestre e nos dá as estações do ano a que estamos acostumados.

    Estima-se que, sem a Lua, a obliquidade poderia atingir o dobro do nível atual (45 graus contra os atuais 23 graus). Se tal acontecesse, os polos não seriam sempre frios e a área do Equador nem sempre seria quente. Além disso, os períodos glaciais se repetiriam a cada poucos milênios, de acordo com o astrofísico.

    7. A exploração espacial da humanidade pararia

    O desaparecimento da Lua resultaria na perda de uma plataforma ideal para o homem se expandir para o espaço. Qualquer outro destino "próximo" como Marte ou Vênus é muito mais difícil de alcançar.

    As viagens à Lua são a melhor maneira de a humanidade "treinar" antes de colonizar o espaço, diz Siegel, acrescentando que talvez a humanidade a use no futuro próximo para este fim.

    Mais:

    Como NASA evita impactos catastróficos no espaço
    Astrônomos fazem avanço revolucionário ao criar mapa de matéria escura do Universo
    Cientistas revelam mais fatos sobre a 'era do homem' na Terra
    Pela primeira vez na história, turistas espaciais farão viagem em torno da Lua
    Tags:
    satélite, Sol, Terra, Lua
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik