01:43 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    A figura de um extraterrestre em um estacionamento na cidade de Baker, estado norte-americano de Califórnia. Foto de arquivo, 10 de maio de 2015

    EUA temem que China oculte contatos com extraterrestres

    © AFP 2019 / FREDERIC J. BROWN
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    381420
    Nos siga no

    John Gertz, ex-presidente do conselho do Instituto SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence), organização de pesquisa científica dedicada à busca de sinais de inteligência extraterrestre, manifestou preocupação com a participação da China no projeto, em relatório publicado recentemente. Entenda por quê.

    O relatório de Gertz sobre a questão está disponível na biblioteca virtual arXiv.org da Cornell University Library e foi aceito para publicação na revista Journal of the British Interplanetary Society (JBIS).

    Além do SETI, a China participa igualmente do programa METI (Messaging Extraterrestrial Intelligence), que envolve a emissão de sinais de nossa existência na Terra para possíveis civilizações alienígenas que porventura estejam de "ouvidos abertos" à procura de vida inteligente. De acordo com Hertz, porém, isso pode ser perigoso para a humanidade, além de ilegal.

    "De acordo com o artigo IX do Tratado sobre o Espaço, o METI poderia ser considerado ilegal. (…) A liberação imediata das coordenadas de uma transmissão implora por uma resposta não autorizada e prematura. Grupos religiosos podem enviar suas mensagens paroquiais, enquanto Kim Jong-un pode enviar as suas", diz o autor.

    Segundo ele, a presença chinesa nos dois projetos tem sido fonte de preocupação para os EUA devido à suposta capacidade da China de detectar sinais de civilizações extraterrestres e à perspectiva de uma suposta ocultação perante a comunidade internacional, por parte de Pequim, de informações recebidas do espaço.

    "Os regulamentos que regem o METI são fracos ou inexistentes. Os protocolos pós-detecção [de sinais alienígenas] do SETI não obrigam a nada e são demasiado gerais. As capacidades ampliadas do SETI, o envolvimento da China no campo e os esforços intensificados dos 'METI-istas' para iniciar transmissões de rádio às estrelas estão entre as razões citadas para a urgência de se abordar a questão dos regulamentos apropriados. As recomendações incluem regulamentos em nível da agência e leis em nível nacional, assim como tratados internacionais e supervisão", escreve Gertz.

    Outros temores explicitados pelo analista estão ligados à inauguração de um dos maiores radiotelescópios do mundo, localizado na China. O país já anunciou que o observatório vai tomar parte no projeto Breakthrough Listen, iniciativa de 100 milhões de dólares patrocinada pelo físico britânico Stephen Hawking e pelo magnata russo Yuri Milner para procurar vida extraterrestre inteligente no Universo. 

    Para preparar a humanidade para os possíveis riscos de um contato com os extraterrrestres, Gertz também propõe limitar o poder dos principais transmissores do planeta, a saber, o Observatório de Arecibo (Porto Rico), o complexo de Goldstone (Califórnia) e o 40º complexo de controle e medição da Crimeia.

    "O METI não é o SETI. Tem sido autorizado a proceder ao seu próprio ritmo e sem supervisão simplesmente porque o público em geral e os encarregados de formular suas políticas ainda têm que se dar conta da importância e da seriedade da sua arrogância. O mundo deve despertar para as suas possíveis consequências", adverte o autor do relatório.

    Mais:

    Em busca de vida extraterrestre: 'orelhas da Terra' estão à escuta
    Astrônomos encontram local de onde vêm ‘sinais da vida extraterrestre’
    Esconde-esconde: humanos e extraterrestres se buscam uns aos outros
    Tags:
    contato, universo, radiotelescópio, rádio, vida inteligente, vida, alienígena, extraterrestre, METI, Instituto SETI, John Gertz, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar