03:53 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Museu de História Regional de Chelyabinsk expõe fragmento do meteorito que caiu na cidade em 2013.

    Nova teoria explica a origem de meteoritos potencialmente perigosos

    © Sputnik/ Aleksandr Kondratuk
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1222230

    Uma equipe científica internacional liderada por Philipp R. Heck, da Universidade de Chicago, chegou à conclusão de que a causa principal dos choques entre meteoritos e a Terra são as colisões de asteroides que ocorreram há centenas de milhões de anos, segundo diz o artigo publicado pela revista especializada Nature Astronomy.

    Os investigadores creem que as colisões de asteroides nos recantos mais remotos do universo produzem "escombros" que vão se dispersando e caindo em nosso planeta durante centenas de milhões de anos.

    A maioria destes asteroides são os chamados "objetos próximos da Terra", mais conhecidos por seu acrônimo em inglês, NEO (Near Earth Objects), que são feitos de pedra com incrustações de minerais, além disso, têm pouca quantidade de ferro e de metais em geral.

    Entretanto, os meteoritos encontrados na nossa Terra pertencem a outro tipo, caracterizado pela abundância em ferro em detrimento de outros metais. Mas por que são tão diferentes uns dos outros?

    De acordo com os investigadores, em sua maioria, os meteoritos que caíram em nosso planeta não provêm de lugares "próximos", mas são produto de choques que ocorreram há milhões de anos.

    Estas colisões produzem fragmentos de pedra que navegam por nossa galáxia desde então. O principal problema é que só somos capazes de ver os restos destes corpos celestes quando eles já estão em proximidade perigosa da Terra, diz a Nature Astronomy.

    De acordo com Philipp R. Heck, estes meteoritos seriam provenientes de uma "sequência de colisões que começa com a ruptura de um asteroide ou um impacto que gera fragmentos e novos asteroides menores, que chocam de novo entre si e geram mais fragmentos", criando um efeito em cadeia.

    Os cientistas determinaram também que o fluxo de meteoritos muda com o tempo. Assim, quando se produz um grande número de pequenas colisões num espaço relativamente pequeno, há um aumento destes pequenos fragmentos, ou seja, a "densidade" de corpos celestes em uma determinada região do espaço pode aumentar.

    No final, a investigação propõe prestar mais atenção aos grandes choques de asteroides para saber de onde podem provir os meteoritos potencialmente perigosos, em vez de monitorizar os objetos já existentes que têm trajetórias mais ou menos previsíveis.

    Mais:

    Cientistas criaram nova forma de vida – semissintética
    Cientistas descobrem 'novo mundo' sob o gelo da Antártida
    NASA publica vídeo de pouso da New Horizons na superfície de Plutão
    NASA indica provas que vida se extinguiu e ressurgiu várias vezes na Terra
    Tags:
    pesquisa, asteroide, meteorito, ciência, Espaço, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik