14:07 16 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    33922
    Nos siga no

    Uma equipe internacional de cientistas diz ter criado um ser híbrido meio humano meio porco através de uma experiência cujos resultados foram publicados na revista Cell.

    Juan Carlos Izpisua Belmonte, que lidera a equipe de pesquisa, disse que o objetivo da pesquisa é criar "tecidos funcionais ou órgãos que possam ser transplantados".

    Para realizar o experimento, os cientistas introduziram células-tronco humanas em embriões de um porco em um estágio inicial de desenvolvimento, permitindo-lhes criar cerca de 2.000 híbridos que depois foram introduzidos no corpo de uma porca. 186 deles se convertem em embriões híbridos. Ali permaneceram durante 28 dias, período corresponde ao primeiro trimestre de gestação destes animais, após o qual extraíram o feto, terminando assim o processo.

    Coração
    © flickr.com / Charlotte Astrid
    Belmonte disse que basta este período para que os embriões se desenvolvam suficientemente de maneira a que os cientistas possam analisá-los sem "preocupações éticas". De acordo com o cientista, a possibilidade de um animal com células humanas nascer é algo que poderia causar problemas fora do mundo científico. "A sociedade tem de decidir o que se deve fazer", ressalta.

    Entretanto, este experimento, o primeiro que permitiu cruzar células de duas espécies muito diferentes, poderá oferecer novas oportunidades à ciência para investigar doenças diferentes e como elas afetam o corpo humano.

    Os cientistas esperam que estes experimentos abram caminho para pesquisar métodos de criação de órgãos para transplantes gerados a partir de células do próprio receptor. Assim, a rejeição dos tecidos seria evitada, resolvendo o problema da falta de doações de órgãos no mundo.

    Mais:

    Coletes à prova de balas poderão ser tecidos com cabelo humano
    Cirurgião implanta nova orelha no braço de chinês que perdeu o órgão em acidente (FOTO)
    Tags:
    transplante, órgãos, medicina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar