23:40 18 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Lixo espacial em imagem gerada pela NASA

    Roscosmos pretende 'expelir' lixo espacial pra fora da órbita da Terra

    © Foto: Wikipedia
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    492

    A agência espacial russa Roscosmos está desenvolvendo um dispositivo capaz de “soprar” o lixo espacial pra fora da órbita terrestre usando a força de propulsão gerada por motor a jato, informou ao jornal russo Izvestia o responsável pelo projeto, diretor-geral do instituto TsNIIMash, Oleg Gorshkov.

    De acordo com a publicação, problemas relativos ao lixo espacial estão ficando a cada vez mais iminentes. Em meados de 2016, na órbita terrestre foram registrados cerca de 17,8 mil detritos com tamanho superior a 10 centímetros. A maior parte desse lixo pertence à Rússia, aos EUA e ao Japão. Cada lançamento de um foguete ao espaço produz pelo menos dois ou três novos fragmentos, que podem circular em volta da Terra por tempo indeterminado.

    “A ideia é original: o aparelho é equipado com motores de ions em lados opostos, que são acionados simultaneamente ao se aproximar de detritos no espaço. Com isso, o dispositivo permanece no lugar, mas altera parâmetros de órbita desses objetos”, explica o especialista.

    Segundo ele, a eficiência da tecnologia depende da potência dos motores usados e do volume dos detritos em questão, um satélite desativado podendo ser retirado de órbita, a princípio, em até 15 dias.

    O TsNIIMash, sigla em russo para Instituto Central de Pesquisa e Construção de Máquinas, é um instituto subordinado e administrado pela Roscosmos e especializado no desenvolvimento de mísseis e motores para sistemas de defesa.

    Mais:

    Cooperação entre Brasil e Rússia possibilita projeto de monitoramento de lixo espacial
    Empresa russa termina lente detectora de lixo espacial para telescópio no Brasil
    Diretor executivo da Roscosmos foi preso e acusado de corrupção
    NASA e Roscosmos discutem possível missão conjunta a Vênus
    Tags:
    órbita, lixo espacial, Roscosmos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar