20:13 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Especialistas de laboratório realizando pesquisa

    Cientistas explicam por que sexo foi inventado

    © Sputnik / Kirill Braga
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    420
    Nos siga no

    Testes realizados com pulgas de água, um gênero de crustáceos, confirmaram a hipótese da Rainha Vermelha, segundo a qual os animais "inventaram" a reprodução sexual para combater parasitas e micróbios.

    Eis o que revela o artigo publicado na revista científica Proceedings of the Royal Society B.

    Segunda essa hipótese, no âmbito da evolução, os organismos mudam constantemente não só para ganhar vantagem perante outras espécies, mas também para sobreviver.

    Stuart Auld, cientista da Universidade de Stirling (Reino Unido), verificou a hipótese da Rainha Vermelha ao usar pulgas de água, que são capazes de se reproduzir sexualmente ou por meio de clonagem assexual.

    O objetivo foi descobrir como "clones" e pulgas de água normais reagem à infecção transmitida pelo micróbio Pasteuria ramosa que, assim que penetra no organismo, acaba provocando esterilidade na maioria das vezes.

    A fim de conduzir o experimento, os cientistas precisaram desenvolver alguns métodos especiais para "enganar" o organismo das pulgas de água, fazendo-as se reproduzir através do sexo ou assexuadamente, imitando a chegada do outono, quando é percebido o maior número de pulgas de água (e parasitas), ou da primavera, quando os micróbios esterilizantes são quase inexistentes.

    Com a criação de algumas gerações desses crustáceos, os cientistas observaram a resistência deles quando entravam em contato com o micróbio Pasteuria ramosa, comparando os indicadores dos "clones" com os das pulgas de água comuns. Na comparação, foram utilizadas bactérias que se evoluíram na natureza selvagem durante um ano.

    Os testes mostraram que a renúncia ao sexo pode gerar consequências graves, pois cerca da metade dos clones foram infeccionados por novos sorotipos do Pasteuria ramosa, enquanto apenas 15% das pulgas de água, que se multiplicaram através do sexo, foram contaminados pelo micróbio.

    Segundo Auld, ao comparar os descendentes da mesma mãe, os cientistas descobriram que os crustáceos que nasceram graças ao sexo, pegaram micróbios mais raramente do que suas "irmãs"-clones.

    "A luta contra parasitas e doenças explica por que o sexo existe entre animais, apesar do seu alto custo evolucionário", conclui o cientista.

    Mais:

    Mulher denuncia estupro à polícia dos Emirados Árabes e é presa por 'sexo extraconjugal'
    Madonna pede votos para Hillary Clinton em troca de sexo oral (VÍDEO)
    Tags:
    sexo, pesquisa, animais, pulga, bactérias, clone, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar