14:42 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Linhas escuras de Marte. Foto da NASA

    Cientistas duvidam da existência de água no estado líquido nas linhas escuras de Marte

    © NASA. JPL-Caltech/Univ. of Arizona
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    101

    Descobertas em 2011, as linhas escuras sobre a superfície de Marte, que no ano passado foram consideradas pelos cientistas da NASA como vestígios de riachos de sal, na verdade, poderiam ter aparecido sem a presença de água em estado líquido, disseram os cientistas em conferência da União Geofísica Americana, em São Francisco.

    "Sais hidratados nem sempre indicam a presença de água em estado líquido. Nós realizamos dezenas de experimentos com sais anídricos na atmosfera de Marte e alguns deles, como se verificou, incluindo perclorato de cálcio e cloreto de cálcio — foram absorvendo água aos poucos até se tornarem hidratados", disse Raina Gough, pesquisadora da Universidade do Colorado em Boulder (EUA).

    Em 2011, Alfred McEwen, professor da Universidade do Arizona em Tucson (EUA) e seus colegas estudaram imagens captadas pela câmera HiRISE a bordo da sonda MRO. Em algumas imagens das encostas íngremes e bordas de crateras são percebidas tiras escuras de 0,5 a 5 metros de largura que aparecem e crescem no verão e desaparecem no inverno marciano.

    Como acreditavam os planetólogos, estas tiras poderiam ser fluxos de água muito salgada. Tal água assumiria o estado líquido a altas temperaturas do verão nestas pistas, que chegam a atingir 26 graus Celsius. Em setembro do ano passado, após outra análise das imagens da MRO, os planetólogos confirmaram que os vestígios são realmente deixados pelos fluxos salgados de água fervente. Por enquanto não se sabe qual é a fonte — a atmosfera ou jazidas subterrâneas de gelo.

    Nos últimos meses, vários grupos de cientistas vêm duvidando que as linhas escuras sejam realmente um resultado do movimento dos fluxos de água no estado líquido sob o solo de Marte — é possível que eles surjam devido à absorção de água da atmosfera de Marte pelos sais da superfície de uma encosta, onde surgem as linhas.

    Gough e seu colega Margaret Tolbert confirmaram a viabilidade de tal cenário na prática, tendo reproduzido esse processo em laboratório. Por outro lado, como admitem os próprios autores da descoberta, tudo isso não significa que os "fluxos salgados" não existam em Marte. Ainda há a possibilidade do surgimento das "linhas escuras" estar envolvido com ambos os processos.

    Agora, Tolbert e Gough estão tentando alcançar o oposto — descobrir a existência de quaisquer sais que, em princípio, não podem absorver água na atmosfera. Se tais sais hidratados forem encontrados em Marte, aí sim, pode-se afirmar com certeza que os "fluxos salgados" realmente existem, concluem os cientistas.

    Mais:

    NASA revela o mais compacto e luminoso asteroide já conhecido
    NASA descobre fenda de cem quilômetros na Antártida
    Diretor da NASA: Rússia ajudará os EUA a desbravar caminho à Lua e Marte
    NASA: gravidade artificial é indispensável para voos prolongados ao espaço
    NASA cria estratégia para proteger Terra de micróbios alienígenas
    Tags:
    água, sonda, cientistas, experimento, conferência, NASA, São Francisco, Marte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik