14:37 20 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Usuários do Facebook

    Facebook criará ferramenta para identificar notícias falsas

    © flickr.com/ Master OSM 2011
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    212

    Rede social vai enviar links reportados como possíveis farsas a checadores de notícias e vai impedir o acesso de quem posta links com informações duvidosas à sua rede de publicidade.

    Criticado pela facilidade com que notícias falsas foram espalhadas durante as eleições nos EUA neste ano, o Facebook anunciou que está trabalhando em uma ferramenta para identificar informações de origem duvidosa.

    O anúncio foi feito pelo fundador da empresa, Mark Zuckerberg, em seu perfil da rede social.

    "(…) Se muitas pessoas reportarem uma notícia, então nós vamos enviá-la para organizações de verificação de fato. Se os verificadores concordarem que uma notícia é uma farsa, você verá uma bandeira na história dizendo que foi disputada, e essa notícia pode aparecer menos no Feed de notícias. Você ainda será capaz de ler e compartilhar a notícia, mas agora você terá mais informações sobre se verificadores de fato acreditam que é preciso. Ninguém será capaz de transformar uma notícia em disputa em um anúncio ou promovê-lo em nossa plataforma. Também descobrimos que, se as pessoas que leram um artigo tiverem menos probabilidade de compartilhá-lo do que as pessoas que acabam de ler o título e isso pode ser um sinal de que ele é enganoso. Vamos começar a incorporar esse sinal no ranking do Feed".

    A investida do Facebook pode ser mais efetiva. Em tentativas anteriores, a empresa tinha deixado de apresentar anúncios de aplicativos ou sites cujo conteúdo é ilegal ou enganoso. A mesma iniciativa foi adotada pelo Google, que cortou a verba de publicidade de sites que propagavam notícias de origem duvidosa.

    Zuckerberg disse ainda que entende que o Facebook tem "mais responsabilidade do que apenas construir a tecnologia por onde flui a informação".

    Dados

    A rede social também tem sido constantemente pressionada por pesquisadores para liberar dados para pesquisa, o que ajudaria a reduzir os casos de propagação de boatos.

    Ao contrário do Twitter, que disponibiliza uma base aberta para investigação acadêmica, o Facebook exige que qualquer pessoa com intenção de analisar sua base de 1,7 bilhão de usuários se estabeleça no campus da empresa em Menlo Park e concorde com um termo que dá à empresa, a palavra final do que pode ou não ser divulgado.

    Mais:

    Facebook ativa alerta de segurança após atentado em Istambul – mídia fala em 70 vítimas
    Donald Trump ameaça empresas transnacionais em postagem no Facebook
    Facebook ficará fora do ar por 24 horas no Brasil
    Lula usa Facebook para negar denúncias na Lava Jato
    Tags:
    eleições 2016, Google, Twitter, Facebook, Mark Zuckerberg, Menlo Park, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik