21:14 20 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Vista da ilha de Matua, nas Ilhas Curilas

    Frota do Pacífico da Rússia prepara segunda expedição à ilha de Matua nas Curilas

    © Sputnik / Roman Denisov
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1151

    A Frota do Pacífico da Rússia iniciou os preparativos para a segunda expedição científica à ilha de Matua, no arquipélago das Ilhas Curilas.

    O anúncio foi dado na sexta-feira (25) pelo comandante do Distrito Militar do Leste da Rússia, tenente-coronel Sergei Surovikin.

    "Hoje em dia, na Frota do Pacífico deu início a preparação para a segunda expedição científica à ilha de Matua", comunicou.

    Destaca-se que a expedição será realizada entre junho e setembro de 2017.

    Segundo Surovikin, "está sendo preparado um plano detalhado de exploração da ilha das Curilas, bem como está sendo realizada uma contínua busca de pessoal e equipamentos necessários para fins topográficos".

    A primeira expedição foi realizada entre maio a junho deste ano pela Frota do Pacífico da Rússia e pela Sociedade Geográfica Russa. O objetivo principal das expedições está relacionado à possibilidade de construção de uma base naval na ilha de Matua, além de realizar várias pesquisas científicas.

    No decorrer da primeira expedição, os especialistas foram responsáveis por mais de mil pesquisas laboratoriais, reconhecimento químico e radiológico, observação de todas as fortificações e mais de cem objetos históricos.

    Durante a Segunda Guerra Mundial, na ilha de Matua havia unidades militares do Japão. Abrigos subterrâneos e pistas de pouso e decolagem, construídos durante a Segunda Guerra Mundial, podem ser utilizados até hoje.

    Mais:

    Kremlin comenta instalação de mísseis nas Ilhas Curilas
    Japão poderá impedir presença das forças dos EUA nas Curilas caso Rússia repasse as ilhas?
    Tags:
    pistas, abrigos, preparação, reconhecimento, pesquisas, expedição, Distrito Militar do Leste, Frota do Pacífico, Ilhas Curilas, Japão, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik