23:31 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Imagem da estrutura de um ADN humano

    Menina de 14 anos doente de câncer ganha direito à criopreservação

    © AFP 2019 / HO
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    340
    Nos siga no

    Uma menina britânica de 14 anos, portadora de uma forma incurável de câncer, ganhou no tribunal o direito à criopreservação. Quando encontrarem a cura para a doença, ela despertará, espera a menina.

    O jornal britânico The Guardian cita a carta que a menina escreveu para o tribunal:

    "Tenho apenas 14 anos e não quero morrer, mas sei que vou. Eu acho que a criopreservação me dá a chance de ser curada mesmo daqui a centenas de anos."

    "Eu não quero ser enterrada. Eu quero viver, viver muito mais e eu acho que no futuro eles poderão encontrar uma cura para o meu câncer e me acordar. Este é o meu desejo", pediu a menina cujo nome é desconhecido pela mídia.

    A menina foi transportada de Londres, onde viveu toda a sua infância, para os EUA, onde foi congelada "a perpetuidade" por uma empresa comercial a um custo de 37 mil libras esterlinas (158 mil reais). 

    Segundo o The Guardian, a primeira criopreservação foi realizada nos anos 60. Desde então, foram realizadas centenas das operações, no entanto, nenhuma pessoa foi reanimada com sucesso.

    Yuri Konev, geriátrico russo, disse à RIA Novosti que o descongelamento após criopreservação é um método impossível de alcançar o êxito, pois o congelamento destrói os tecidos humanos.

    "Isso ajuda as pessoas a criar uma ilusão que algo positivo acontecerá no futuro. Eu acredito que, após a criopreservação, a pessoa morre. Em todos os casos, o corpo congelado são preserva o ser humano, pois não há como preservar o intelecto do ser", afirmou o médico.

    Mais:

    Universidade russa MEPhl ajudará a criar novo dispositivo para tratamento do câncer
    Futuro já começou: cientistas testam tecnologia de mutação de células
    Tags:
    câncer, Grã-Bretanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar