17:14 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Ilustração mostrando projeto de base em Marte – Mars One

    Qual o perigo da colonização de Marte? Cientistas explicam!

    © Foto / Mars One - Human Settlement of Mars
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    11174
    Nos siga no

    A "fuga" da humanidade para Marte não vai salvá-la de problemas sociais que geram contradições entre os interesses dos países, por um lado, e os dos colonos e corporações que os patrocinam, por outro, informa a edição Nature.

    Em setembro deste ano Elon Musk, chefe da corporação SpaceX, contou ao mundo seus planos grandiosos para colonizar Marte. Para isso ele prevê criar um foguete superpesado e uma frota composta de milhares de naves interplanetárias que levarão um milhão de pessoas ao Planeta Vermelho até ao final do século.

    Na ideia de Musk, o objetivo da colonização será criar no planeta uma cidade autônoma com um milhão de habitantes que possa satisfazer suas próprias necessidades e seja uma sociedade completa, à semelhança das existentes na Terra.

    No entanto, apesar dos avanços tecnológicos, a Nature considera pouco provável a criação de colônias autônomas em Marte e na Lua devido a fatores econômicos, sociais e financeiros. A edição escreve que esse projeto requer grandes investimentos e que nem os governos, nem as corporações transnacionais vão fazer isso de graça. Ao contrário, eles vão exigir sua participação na exploração de riquezas naturais de Marte, o que poderá causar a divisão do Planeta Vermelho em zonas econômicas exclusivas e privar os colonos de autonomia.

    Assim, a Nature escreve que a construção de colônias independentes na Lua e em Marte é fruto da fantasia de sonhadores e está longe de se tornar realidade.

    Mais:

    Rover planetário Curiosity descobre estranho meteorito metálico em Marte
    Imagens mostram a destruição do módulo Schiaparelli em Marte
    Tags:
    colono, autonomia, foguete, investimentos, SpaceX, Nature, Elon Musk, Marte, Terra, Lua
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar