01:55 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Missão de desbravamento no Ártico

    Rússia consegue movimentar icebergs nos mares do Ártico

    © Sputnik / Anna Yudina
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    2312
    Nos siga no

    Os participantes da expedição organizada pela empresa petrolífera russa Rosneft no quebra-gelos Kapitan Dranitsin realizaram, pela primeira vez na história russa, experimentos no mar de Kara para tentar rebocar icebergs.

    Os icebergs à deriva representam um grande perigo para a navegação e atividades industriais na plataforma continental do Ártico.

    Os cientistas russos elaboraram uma tecnologia original que permite alterar a trajetória de deriva dos icebergs.

    A expedição teve início em meados de setembro. Seus participantes realizaram 18 testes de reboque e verificaram que o peso do maior iceberg excedia um milhão de toneladas, tendo mais de 150 metros de comprimento e 100 metros de profundidade.

    Controlar icebergs nos mares do Ártico é uma tarefa ambiciosa e difícil do ponto de vista de sua realização. Mas os cientistas do Instituto de Pesquisas do Ártico e da Antártida se atreveram a ultrapassar esse desafio.

    Vale notar que anteriormente já foram feitas tentativas de rebocar icebergs, mas todas elas foram malsucedidas.

    O reboque de icebergs requer elevada precisão e é dificultado pelas condições do mar – ondulação, ventos e má visibilidade.

    Mas desta vez os resultados foram bastante positivos. Os pesquisadores conseguiram movimentar e alterar a trajetória de nove icebergs, conta o chefe da expedição Alexey Chernov.

    Os participantes da expedição mostraram que movimentar icebergs é possível, abrindo mais oportunidades para todos que trabalham nos mares do Ártico.

    Mais:

    Rússia terá mais de dez centros de emergência e resgate no Ártico
    Navios de guerra se dirigem ao Ártico para assegurar presença militar russa
    Tags:
    trajetória, movimentação, expedição, Rosneft, mar de Kara, Ártico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar