02:11 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Foguete-portador Falcon 9 explode no céu sobre o cabo Canaveral em 28 de junho.

    Especialistas da SpaceX revelam razão da explosão do Falcon

    © REUTERS / Mike Brown
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    138
    Nos siga no

    Especialistas de SpaceX, empresa americana de construção de foguetes e satélites, encontraram uma brecha no sistema de abastecimento de hélio no foguete-portador Falcon, o que teria sido a razão provável da explosão na plataforma de lançamento.

    O foguete Falcon 9 explodiu na manhã do dia 1 de setembro, durante os testes na plataforma de lançamento no Cabo Canaveral. A SpaceX relatou que o incidente ocorreu durante o processo de abastecimento de combustível, cerca de oito minutos antes da ligação dos nove motores de foguete. A explosão destruiu o foguete e um satélite de comunicações israelense AMOS-6. A empresa expressou condolências pela perda de bens no valor de $200 milhões (R$ 644 milhões).

    "As provas apontam que tenha sido uma grande brecha no sistema de abastecimento de hélio, isso levou a uma explosão devastadora durante o teste de pré-lançamento três semanas atrás", disse a emissora ABC, citando representantes da SpaceX.

    O presidente da SpaceX, Elon Musk, tinha dito anteriormente que o incidente com o Falcon foi a falha mais grave e complexa da empresa dos últimos 14 anos.

    A SpaceX pode voltar a lançamentos de naves espaciais dentro de 9-12 meses, julga o chefe da  corporação rival United Launch Alliance (ULA), Tori Bruno.

    O Falcon 9 foi usado para lançar para órbita vários satélites, bem como a espaçonave de carga Dragon, que realiza o abastecimento da Estação Espacial Internacional.

    Mais:

    Pentágono: SpaceX lançará satélite GPS 3
    SpaceX pretende enviar sua primeira nave espacial a Marte em 2018
    NASA felicita SpaceX pela aterrissagem bem sucedida do primeiro estágio do Falcon 9
    Tags:
    espaço, explosão, Falcon 9, SpaceX, Elon Musk, Cabo Canaveral
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar