00:47 19 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Recife, Oceano Pacífico.

    Aquecimento global e bactérias-assassinas expandem zonas mortas nos oceanos

    © Sputnik / Roman Denisov
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    222

    A profundidade e extensão das chamadas "zonas mortas" nos oceanos – áreas, onde não há oxigênio e onde não há vida – tem aumentado nos últimos anos devido às mudanças climáticas e bactérias recentemente descobertas, divulga um artigo cientifico publicado na revista Nature.

    Como explica Frank Stewart do Instituto de Tecnologia da Geórgia, em Atlanta (EUA), devido às alterações climáticas e aumento da temperatura global da Terra, bem como à poluição das águas das zonas costeiras com resíduos industriais, aumenta o crescimento das algas unicelulares nos oceanos, o que leva a um grande consumo do oxigénio. Isto faz com que a maioria dos peixes deixe de poder sobreviver nestas condições.

    ​Tendo estudado estes fenómenos do oceano, Stewart e seus colegas descobriram um "cúmplice" inesperado do aquecimento global – a 'bactéria-assassina’ SAR11, que agrava o efeito do aquecimento, fazendo com que a "zona morta" cresce ainda mais rápido.

    Depois de analisar o DNA de bactérias extraídas de "zonas mortas" ao largo da costa oeste do México, no Oceano Pacífico, os cientistas descobriram que a SAR11 pode respirar não apenas com oxigênio, mas também com compostos azotados, “inspirando” nitratos (NO3) e “expirando” azoto (N) e nitritos (NO2).

    Por causa disso, as bactérias tornam as condições de vida nos oceanos  completamente impróprias para outros seres vivos, erradicando da água não apenas o oxigênio, mas também as potenciais fontes de alimento – os próprios compostos de azoto e algas. Os pesquisadores acreditam que isso acelerou significativamente o crescimento das "zonas mortas" nos últimos anos, que agora ocupam mais de 8% dos oceanos do mundo.

    Mais:

    Grã-Bretanha introduz imposto sobre sacos plásticos e reduz poluição em 85%
    Tags:
    aquecimento global, ecologia, morte, zona costeira, Oceano Global
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar