17:06 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Imagem dum asteroide de pedra e gelo criada por um artista

    NASA explorará asteroide que um dia pode aniquilar humanidade

    © East News/ Photoshot/REPORTER
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1306023

    Um asteroide chamado Bennu pode um dia atingir o nosso planeta. É possível que ele guarde o mistério da origem da humanidade.

    Descoberto em 1999, o 101955 Bennu tem aproximadamente 500 metros de diâmetro e orbita o Sol a uma velocidade de 100.000 quilômetros por hora. Infelizmente, a órbita do asteroide coincide com a do nosso planeta a cada 6 anos, o que significa que ele pode, um dia, colidir com a Terra.

    "A aproximação [do asteroide à Terra] no ano 2135 ajustará a órbita de Bennu, potencialmente o colocando em curso de colisão com a Terra naquele século", diz Dante Lauretta, professor de ciência planetária na Universidade de Arizona, citado pelo Independent.

    Para se preparar melhor para este evento potencialmente apocalíptico, a NASA envia uma nave espacial OSIRIS-Rex para coletar uma amostra do asteroide.
    "[A missão] é a chave para a nossa busca por produtos orgânicos no Bennu", disse Lauretta, de acordo com um comunicado da NASA.

    Mas a missão é mais do que evitar Armageddon. De acordo com Lauretta, a missão OSIRIS poderia ajudar a humanidade a compreender melhor suas próprias origens.

    "Acreditamos Bennu é uma cápsula do tempo desde os primórdios de nosso sistema solar", disse a cientista ao canal ABC News. "Assim, a amostra pode potencialmente conter respostas para uma das perguntas fundamentais que os seres humanos fazem: ‘De onde viemos, qual a nossa origem?'"

    Por enquanto, não há nenhuma razão de pânico. O Bennu tem apenas uma chance em 2700 de colidir com a Terra entre 2175 e 2196.

    Mais:

    NASA experimenta novos motores para voos espaciais longínquos
    Vitória do outro mundo: astronauta da NASA felicita Portugal
    Destino é Marte, mas NASA tem 'muitas incertezas'
    Tags:
    asteroide, NASA, Espaço, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik