09:55 19 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Astronauta Buzz Aldrin anda pela superfície lunar durante a 11 missão Apollo

    Cientista: astronautas da missão Apollo falecem misteriosamente de problemas cardíacos

    © NASA .
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    123
    Nos siga no

    Os astronautas do programa "Apollo" sofrem de problemas cardiovasculares, provavelmente associados à permanência prolongada no espaço e ao efeito dos raios cósmicos, o que sugerem os resultados de experiências em ratos, revela um cientista em um artigo publicado no Scientific Reports.

    "Não sabemos como a radiação cósmica afeta a saúde humana, e em particular seus corações e vasos sanguíneos. Este estudo nos deu uma primeira oportunidade para avaliar os efeitos negativos que esta radiação provoca em nosso corpo. Experimentos em ratos mostraram que os raios cósmicos de fato danificam a saúde dos vasos sanguíneos”, afirma Michael Delp da Universidade da Flórida.

    Na sua nova obra científica, Delp descobriu um dos mais intrigantes mistérios médicos do programa espacial Apollo – porque a maioria dos participantes da missão morreram subitamente de problemas cardiovasculares – e encontrou como causa potencial uma tal "doença lunar".

    Segundo o cientista, mais de 43% dos participantes do programa que sobrevoaram e pousaram na Lua, morreram de ataques cardíacos e outros problemas de coração e vasos sanguíneos, o que é 4 a 5 vezes maia do que a taxa de mortalidade dessas doenças entre outros astronautas e empregados da NASA que não voaram ao espaço.
    De acordo com Delp, os dados recolhidos serão vitais para a NASA, "Roskosmos" e agências espaciais de outros países para preparar um sistema de proteção dos módulos tripulados que irão viajar até à Lua e Marte.

    Mais:

    Leva-me à Lua: Rússia e EUA discutem estação lunar para missão a Marte
    Novo projeto faz viagem à Lua mais próximo
    Cientistas acham novo mistério na Lua
    Tags:
    exploração, doenças cardiovasculares, NASA, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar