12:41 18 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Imagem do rover Mars 2020, NASA

    Novo rover Mars 2020 irá procurar vida em Marte

    © NASA/JPL-Caltech
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    714

    Cientistas ainda não têm uma resposta sobre se existe vida fora da Terra. Para obter esse conhecimento, a NASA envia um novo rover à Marte chamado de Mars 2020.

    A agência aeroespacial estadunidense emitiu um roteiro do programa cientifico. Ele será lançado em 2020 para pousar em Marte em fevereiro 2021. Foi publicada uma imagem do futuro rover. Todas as fases preliminares de preparação já estão concluídas.

    Como o Mars 2020 é o “herdeiro” da missão Curiosity, a estrutura e alguns elementos do novo rover são muito semelhantes ao que foi utilizado no rover Curiosity. O Mars 2020 irá recolher amostras do solo marciano e ver se elas têm sinais de vida microbiana. O Curiosity não tinha tal objetivo na sua missão. As amostras serão algum tempo depois enviadas para a Terra para nova inspeção.

    “A missão Mars 2020 é o primeiro passo de uma campanha multi-etápica para o transporte para Terra de amostras de solo seladas e exemplares de rochas marcianas recolhidos. A missão será um marco importante na implementação do programa Journey to Mars. O objetivo do programa é determinar se houve vida na Marte”, declarou Geoffrey Yoder, um dos gestores do programa Mars 2020. Está previsto que as 30 amostras mais interessantes serão colocadas em cápsulas seladas e enviadas a Terra.

    Sabemos que o rover vai explorar uma das regiões do Planeta Vermelho, onde, segundo acreditam os cientistas, havia um ambiente favorável para a vida microbiana. Embora a região não esteja definida, os cientistas estão considerando vários possíveis lugares de interesse em termos de pesquisa.

    Mais:

    Destino é Marte, mas NASA tem 'muitas incertezas'
    Bebê espacial: NASA descobre novo exoplaneta muito jovem
    NASA apresenta novo avião elétrico
    Tags:
    exploração espacial, missão, NASA, Marte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik