21:34 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1043
    Nos siga no

    Os primeiros representantes do género humano, os Homo erectus tinham a mesma forma de andar dos seus descendentes de hoje, depois de 1,5-2 milhões anos de evolução, o que foi indicado por suas pegadas fossilizadas encontradas no Quênia, se lê num artigo publicado na revista Scientific Reports.

    "Essas plantas são até agora a única evidência direta do fato de o entendimento existente sobre os homens pré-históricos ser realmente verdadeiro. Pelo menos um dos nossos parentes antigos, que viveu na Terra 1,5 milhões de anos, andou da mesma maneira que nós fazemos isso hoje", disse Kevin Hatala da Universidade George Washington (EUA).

    O Homo erectus apareceu no leste e no sul de África cerca de 1,8-2 milhões anos atrás. Esta espécie é considerada o inventor das primeiras ferramentas complexas, o pioneiro do fogo e o primeiro cozinheiro a aprender o segredo de cozinhar.

    Uma importante característica deles é sua capacidade de andar em posição vertical, mas até agora os cientistas não tinham nenhuma evidência direta que esses hominídeos realmente andassem da mesma maneira que as pessoas modernas.

    Este espaço em branco da paleontologia foi preenchido pelo grupo de Hatala, que descobriu no norte do Quênia, num lugar chamado Ileret, camadas de rochas sedimentárias, que se formaram 1,5 milhões de anos atrás, em que ficaram marcadas as plantas dos pés de vários adultos Homo erectus.

    Isto lhes permitiu não só "ler" a forma de andar do Homo erectus, mas também revelar alguns dos detalhes de sua vida social e determinar seu tamanho e peso.

    O Homo erectus era mais baixo do que os humanos modernos — seu peso em média era de 49 kg. Os cientistas concluem que, aparentemente, já há 1,5 milhões de anos que os homens começaram adquirindo o tipo de aparência que nos é habitual, se reunir em sociedade e andar da mesma maneira que nós.

    Mais:

    Arqueólogos descobrem assentamento mais antigo no golfo Pérsico
    Cientistas descobrem modo de se livrar de recordações
    Cientistas descobrem genes zumbi
    Tags:
    humanidade, ciência, arqueologia, África, Quênia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar