17:08 16 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    171
    Nos siga no

    Na quinta-feira (30), arqueólogos chineses publicaram um artigo sobre um objeto que já é considerado como um osso parietal do crânio de Buda. O objeto foi achado dentro de um modelo de estupa – uma instalação budista usada para meditação.

    O artigo é o resultado de uma expedição realizada pelos arqueólogos chineses entre 2007 e 2010.

    De acordo com o site Live Science, que se refere à revista Chinese Cultural Relics, o suposto osso parietal do crânio do príncipe Siddhartha Gautama, o Buda (Desperto, traduzido do sânscrito), estava guardado em uma arca de ouro, a qual, por sua parte, estava colocada dentro de uma arca de prata. A estupa estava debaixo do templo budista Baoen, em Nanquim, na parte oriental da China.

    Ainda não está provado se o osso conservado pertence ou não ao maior budista da história.

    O artigo da Chinese Cultural Relics não especifica a posição da equipe de arqueólogos sobre a probabilidade de o osso achado ter pertencido a Buda.

    O modelo de stupa achado tem pelo menos 1.000 anos. De acordo com as inscrições, o mesmo foi fabricado por um homem chamado Deming, que declara ser "o Mestre da Luz Perfeita, Abade do Mosteiro de Chengtian e o Dono da Roupa Púrpura". Segundo ele, depois de que o Buda entrara, ainda antes do nascimento de Cristo, para a "parinirvana" (a última morte que rompe o ciclo de mortes e renascimentos consecutivos), o seu corpo foi cremado "perto do rio Hirannavati", na Índia. Então, o rei da Índia, Ashoka, decidiu conservar os restos mortais do Buda, dividindo-o em 84.000 pedaços. "O nosso país, a China, obteve 19 deles", prossegue o conto. Depois, em uma época instável e cheia de guerras, "será que ninguém se preocupava com os assuntos dos budistas?", pergunta Deming, 

    Quem se preocupava era o imperador Zhenzong, terceiro da dinastia Song (reinou entre 997 e 1022). Foi ele quem aprovou a construção do templo para guardar lá o osso parietal e restos mortais de outros santos budistas. O enterro ocorreu em 21 de julho de 1011.

    Tags:
    arqueologia, budismo, religião, Buda, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar