20:52 15 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0292
    Nos siga no

    O isótopo de califórnio-252 é fabulosamente caro. Durante muitos anos, apenas alguns gramas desta substância podiam ser produzidos em todo o mundo. Apenas dois centros de pesquisa são capazes de realizar essa tarefa e um deles está localizado na Rússia.

    Um empresário deste centro esclarece qual a função e a aplicação deste elemento químico.

    Aleksandr Tuzov, diretor de Instituto de Pesquisa de reatores nucleares da cidade russa de Dimitrovgrad, disse à Sputnik que o califórnio-252 é uma fonte de neutrões muito forte. Um micrograma deste isótopo emite cerca de dois milhões de neutrões por segundo, o que é comparável a um pequeno reator nuclear.

    ​O califórnio-252 surge do plutónio, mas o processo é extremamente complicado.

    "Apenas dois reatores no mundo inteiro são atualmente capazes de fornecer uma quantidade significativa de califórnio, eles são o nosso Instituto de Pesquisas em Dimitrovgrad e o Laboratório Nacional de Oak Ridge nos EUA", disse Tuzov.

    O ciclo de produção leva de sete a oito anos para ser concluído. Além disso, é necessário ter equipamento específico. O resultado tem um preço incrivelmente alto: um grama do isótopo custa cerca de 30 milhões de dólares americanos (ou mais de R$105 milhões). Atualmente, a Rússia fornece essa tecnologia para o estrangeiro, nomeadamente, as fontes de nêutrons de califórnio russas são fornecidas a uma empresa francesa, a Areva.

    Outras empresas também demostram seu interesse. Jean-Yves Blanc, especialista do centro de energia nuclear francesa CEA, disse à Sputnik: "Há 25 anos, eu liderei um grupo que trabalhou com fontes de nêutrons de califórnio. Nessa altura, nós comprávamos o califórnio-252 principalmente dos americanos. Até ao ano de 2020, queremos começar a operar o reator Jules-Horowitz. Para isso será necessário o califórnio. Até agora, tínhamos confiado essa questão aos americanos. Mas agora seria interessante comparar as condições que oferece a Rússia como fornecedora».

    Mais:

    Cientistas russos criam estação que permite ao homem viver em Marte (VÍDEO)
    Cientistas holandeses criam capa anti-espião
    Cientistas negam mito da influência da Lua cheia sobre o comportamento humano
    Tags:
    Rússia, reator nuclear, Ciência e Tecnologia, pesquisa, exportações
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar