13:23 16 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Estátua Albert Einstein em Washington, EUA

    Vencer na justiça é fácil. É só estudar as leis... da física

    © AFP 2019/ Brendan Smialowski
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    160

    Doutor em ciências naturais conseguiu ganhar um processo na justiça apelando às leis fundamentais da física, anulando a multa que lhe foi atribuída pela polícia rodoviária.

    O morador da cidade russa de Kazan Iurii Goriunov provou na justiça que as medições do radar rodoviário móvel estavam erradas, conseguindo se livrar da multa por excesso de velocidade. O cientista revelou à imprensa alguns detalhes técnicos desse processo curioso.

    Em agosto passado, o carro dele, um Lada do modelo Granta, foi fotografado pelo radar móvel instalado pela polícia na rodovia que vai de Moscou a Ufá (sede da cúpula dos BRICS em 2015). O equipamento registrou um alegado excesso de velocidade – 92 km/h em vez de 70 km/h permitidos. Ao motorista foi exigido pagar uma multa de 500 rublos (em torno de 30 reais).

    O professor da universidade tinha certeza que o velocímetro não marcava mais de 80 km/h (o excesso de velocidade por dirigir a menos de 20 km/h acima da velocidade permitida não está sujeito a multa na Rússia). Sendo assim, decidiu conhecer em detalhes o funcionamento do radar.

    "Tentando entender o motivo da multa, examinei as fotos da notificação e prestei atenção a um detalhe interessante – o radar estava colocado no nível abaixo do fundo do meu carro. Sendo físico, percebi logo que nestas condições a disseminação de ondas de rádio na camada de atmosfera está limitada, o que leva a medição errada da velocidade e os resultados desta ficam mais altos," diz o professor.

    "Depois estudei a documentação técnica do equipamento medidor, segundo a qual, sendo ele instalado a um ângulo menor do que 25 graus, o radar é incapaz de detectar a velocidade corretamente, obtendo resultados de medição de velocidade mais elevados", continua.

    As informações sobre a disseminação das ondas de rádio foram apresentados pelo cientista à justiça junto com explicações sobre o efeito doppler (fenômeno físico observado nas ondas quando emitidas ou refletidas por um objeto que está em movimento com relação ao observador), no qual está baseado o funcionamento do radar, para defender sua inocência.

    "Muitos optariam por pagar este valor desprezível em vez de perder tempo e esforços na justiça, mas eu sou assim. Não gosto quando me enganam de modo atrevido. Se infringisse, seria outra coisa".

    Entretanto, o respondente no caso, que é a polícia rodoviária, recorreu da decisão favorável ao cidadão. Agora o tribunal supremo da região vai decidir se as leis da física são universais mesmo.

    Mais:

    Vão sugar a atmosfera e enviar o gás para estufa
    China constrói ponte com tabuleiro de vidro mais extensa do mundo
    Jovem russo cria startup e se torna Investidor-Anjo
    Rússia cria laboratório para simular desembarque em outros planetas
    Rússia lançará instalação laser mais potente no mundo
    Tags:
    infração, rodovia, radar, Física, físico, efeito doppler, polícia rodoviária, Rússia, Kazan
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar