05:05 18 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Nesta foto, patos sobrevoam a fumaça de gases-estufa no Kansas, EUA; porém, isso não significa que sejam protegidos completamente do aquecimento global

    Vão sugar a atmosfera e enviar o gás para estufa

    © AP Photo/ Charlie Riedel
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    3111

    A empresa suíça Climeworks parece ter achado uma solução para o problema dos gases do efeito estufa. Um projeto, que agora está na fase de desenvolvimento, prevê a transferência do dióxido de carbono a empreendimentos que dele precisem.

    Estes empreendimentos serão provavelmente estufas. Assim, o gás justificaria o seu nome sem prejudicar a atmosfera.

    De acordo com o jornal New Scientist, a Climeworks planeja inaugurar uma fábrica perto de Zurique até outubro de 2016.

    A fábrica irá retirar o dióxido de carbono do ar através de "sucção". O gás será vendido para uma empresa agrícola, que se dedica à produção de alface.

    "Sugar" o dióxido de carbono da atmosfera não é novidade, um processo parecido já é usado em submarinos e cápsulas espaciais. A empresa suíça usará a tecnologia de captura direta de ar (DAC, na sigla em inglês). Este método usa um filtro com presença de aminas (derivados de amoníaco), que servem para reter as partículas do CO2, retirando-o do ar.

    Conforme a expectativa vazada para a mídia, a fábrica irá produzir até 3 toneladas de gás cada 24 horas. Para comparar: anualmente, 40 bilhões de toneladas de gases do efeito estufa vão parar na atmosfera por causas da atividade humana.

    Mais:

    Aquecimento global favorece a China
    Com rodízio à paulistana, capital da Índia salva ecologia
    Acordo da COP 21 é aprovado para mudar a economia mundial e limitar aquecimento global
    Vladimir Putin: Esforços da Rússia retardaram aquecimento global
    Cientistas descobrem bactéria para combater aquecimento global
    Pamela Anderson pode se reunir com ministro da Ecologia da Rússia
    Tags:
    gás, ecologia, Suíça
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik