06:21 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Parte do aparelho usado para elaborar a bateria nuclear

    Cientistas russos acham novo método de criação de ‘bateria nuclear’

    © Sputnik/ Serviço de imprensa da MISiS
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    12241

    Os especialistas da Universidade Nacional de Tecnologia e Pesquisa “Instituto do Aço e Ligas de Moscou” (MISiS) desenvolveram uma nova tecnologia de criação de “baterias nucleares”, baseadas no isótopo radiativo níquel-63.

    As baterias deste tipo poderão ser usadas em diversas áreas, da medicina a pesquisas espaciais, informou o serviço de imprensa da universidade.

    As propriedades do níquel-63 fazem dele a perfeita base para as assim chamadas baterias betavoltaicas pequenas, com grande nível de segurança, pequena potência e prazo de funcionamento prolongado (mais de 50 anos). Elas podem ser usadas, nomeadamente, na criação de marca-passos e fontes de alimentação autônomas com largo prazo de funcionamento para uso em satélites espaciais. Níquel-63 não é encontrado na natureza, mas é obtido ao expor o isótopo níquel-62 a nêutrons dentro de um reator nuclear com posterior tratamento radioquímico e separação em centrífuga a gás.

    Instalação de pulverização combinada, usada no projeto de bateria nuclear
    © Sputnik/ Serviço de imprensa da MISiS
    Instalação de pulverização combinada, usada no projeto de "bateria nuclear"

    O grupo de cientistas da MISiS, chefiado pelo gerente do departamento da Ciência dos Materiais de Semicondutores e Dielétricos, professor Yury Parkhomenko, elaborou uma tecnologia de criação de transformadores de energia radiativa beta do níquel-63 em energia elétrica com base em monocristais piezoelétricos para uso em baterias betavoltaicas autônomas de corrente alternada.

    “O uso de fontes de alimentação de impulso (que acumulam e transmitem a carga) permite superar as restrições provocadas pela pequena potência das baterias nucleares betavoltaicas”, disse Parkhomenko, citado no comunicado da MISiS.

    Modelo da bateria nuclear desenvolvida na universidade MISiS
    © Sputnik/ Serviço de imprensa da MISiS
    Modelo da "bateria nuclear" desenvolvida na universidade MISiS

    Um projeto de criação de fontes de eletricidade com base no níquel-63 já está sendo implementado na Rússia. Participam dele diversas organizações, chefiadas por uma sucursal da Rosatom, Usina Mineradora Química, situada na cidade de Zheleznogorsk, no krai de Krasnodar (Sul da Rússia). Mais cedo, informava-se que o níquel-63 para este projeto será produzido no reator de pesquisa IRT-T da Universidade Politécnica de Tomsk. Outra sucursal da Rosatom, Usina Eletroquímica em Zelenogorsk, é responsável pela criação do equipamento técnico.

    O lançamento do primeiro protótipo da “bateria nuclear” está previsto para 2017.

    Mais:

    Pyongyang diz a Seul que não abandonará programa nuclear sem tratado de paz
    Estamos preparados: cientistas russos estudam ameaça de asteroides
    Segurança? Basta ter um passaporte falso para penetrar em submarino nuclear no Reino Unido
    Cientistas: transporte público é demasiado difícil para o cérebro humano
    Cientistas descobrem lendário rio que ferve suas vítimas no coração da Amazônia
    Cientistas inventam impressora 3D capaz de produzir órgãos humanos
    'Não é necessário usar armas nucleares no espaço, há outros métodos'
    'Nova economia espacial': Luxemburgo lança programa de mineração em asteroides
    Pronto para um passeio? Rússia lança projeto de robô espacial ambicioso
    Roscosmos planeja construir motor atômico para missões ao espaço distante
    Chefe da IAEA: Irã cumpriu medidas de acordo nuclear
    Rússia prepara Federação espacial
    Tags:
    energia nuclear, MISiS, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik