21:18 20 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Táxis estacionados em uma rua de São Paulo em 8 de outubro de 2015, aquando uma deliberação do prefeito Fernando Haddad

    'Eles não têm nenhuma razão para protestar'

    © AFP 2018 / NELSON ALMEIDA
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 03

    Umas centenas de táxis bloquearam uma parte na zona central de Praga, capital da República Tcheca, exigindo aumento da tarifa e a repressão dos serviços alternativos - principalmente o Uber.

    Segundo a agência de notícias AP, o ato começou na madrugada desta segunda-feira (8). Os taxistas bloqueavam duas das três faixas da rua em que está a Rodoviária central, tendo se formado uma multidão no local.

    O protesto está se realizando cerca de dois meses depois do fracasso e falência de uma empresa conjunta composta por um grupo de taxistas e o governo municipal. 

    Em Praga, a tarifa máxima do táxi é de 28 coroas (1,16 dólares ou 4,48 reais) por quilômetro. Os taxistas reivindicam o seu direito a cobrar mais.

    No entanto, a prefeita de Praga, Adriana Krnacova, afirma, segundo a AP, que os taxistas não têm nenhuma razão para protestar.

    Na última terça-feira (30/06), a Câmara Municipal de São Paulo aprovou o Projeto de Lei de autoria do vereador Adílson Amadeu (PTB) que proíbe o uso de carros particulares cadastrados em aplicativos para o transporte remunerado de pessoas
    Fernanda Carvalho/ Fotos Públicas
    Críticas

    O principal argumento que os taxistas alegam na sua luta contra o Uber é que os carros e motoristas deste serviço se encontram isentos de muitos dos critérios que se aplicam aos táxis tradicionais.

    Esta isenção, segundo os taxistas, leva à vantagem econômica do aplicativo sobre o táxi tradicional — que tem contribuições, procedimentos de controle e outros fatores que reduzem o rendimento final.

    No Brasil, a disputa já levou à tensão entre os taxistas e o Uber. O aplicativo chegou a ser banido em São Paulo como "transporte clandestino" em julho de 2015 — sendo liberado em 2 de fevereiro do ano em curso.

    Na semana passada, diversas fontes comunicaram casos de violência ou tentativa de violência entre os grupos. Uma reportagem da Folha de São Paulo contou o caso de um motorista do Uber que, ao chegar ao local de um pedido, topou com um grupo de taxistas que o agrediram e tentaram estragar o carro.

    A situação mais tensa foi a de Paris do junho do ano passado, com uma manifestação de grande escala, pneus incendiados em plena capital e pronunciamento oficial do presidente François Hollande, que baniu o aplicativo e condenou os dois responsáveis regionais da empresa, cuja sede está nos Estados Unidos.

    Contatado pela Sputnik Brasil, o jornalista Leonardo Veras disse que "só usou o Uber em Brasília e não teve problema nenhum". Confirmou, porém, que em São Paulo, "tem rolado agressões em grandes eventos".

    Perguntado se daria preferência a um táxi ou a um carro do Uber, disse que "só usaria táxi numa situação de necessidade", por o Uber ser mais barato e por não concordar com a "forma como os taxistas estão reagindo à concorrência".

    Já o estudante paulista Rodrigo confessou ficar "meio por fora", por não usar o Uber e pouco acompanhar a situação.

    Ambos coincidiram, porém, que há relatos sobre violência.

    O motorista de um táxi saúda um pedestre perto da praça da Sé, em São Paulo (foto de arquivo)
    © AFP 2018 / MAURICIO LIMA
    O motorista de um táxi saúda um pedestre perto da praça da Sé, em São Paulo (foto de arquivo)

    E na Rússia?

    No início da semana passada, o Departamento do Transporte de Moscou anunciava uma possível ação contra o Uber na justiça municipal e regional. Mas as autoridades recuaram dizendo que tal ação só poderia ser tramitada como último recurso — em caso de falta de vontade, da parte do Uber, de assinar o acordo que o obrigaria a transmitir as informações sobre os trajetos dos carros na capital ao Departamento.

    "Estamos assinando o acordo com o Uber, [o acordo] já está assinado com o Get Taxi e Yandex", informou o Departamento através de uma nota.

    O israelense Get Taxi e o russo Yandex são aplicativos parecidos ao Uber e bastante populares em Moscou.

    Em 5 de fevereiro, a responsável do Uber para a Rússia anunciou a ampliação do serviço na Rússia, que irá abranger mais 10 cidades.

    Mais:

    Taxistas e Uber em armas pela concorrência
    Uber e outros aplicativos poderão comprar créditos para atuar em São Paulo
    Justiça do Rio: Uber segue liberado na cidade
    Deputados vão pedir a suspensão do Uber ao Ministério da Justiça
    Táxis x Uber: Audiência pública termina em briga em Brasília
    Câmara vira palco de debate entre motoristas do Uber e taxistas
    Justiça do Rio concede ao motorista o direito de usar Uber para transporte de passageiros
    Taxistas de São Paulo: Não à proposta do prefeito de regulamentar o serviço do Uber
    Uber se prepara para aumentar em cinco vezes o número de cidades atendidas na China
    Câmara debate a legalidade do aplicativo Uber no Brasil
    Prefeitura do Rio quer taxistas da cidade operando através de aplicativo como o Uber
    Vereadores do Rio aprovam projeto de lei que proíbe serviços como Uber
    Senado vai regulamentar serviço do Uber nas cidades brasileiras
    Deputados vão discutir os efeitos para os consumidores da proibição do aplicativo Uber
    Carros do Uber são apreendidos no Rio
    Uso do aplicativo Uber intensifica protestos no Brasil
    Após protesto na França, legisladores brasileiros querem ilegalizar serviço de carona Uber
    Tags:
    concorrência, táxi, Uber, Rússia, Brasil, República Tcheca
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik