01:41 19 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    A partir de agosto o Ministério do Trabalho vai utilizar drones no combate ao trabalho escravo no Brasil.
    Flickr/DFShutterbug

    Drones vão combater trabalho escravo no Brasil

    Ciência e tecnologia
    URL curta
    153161

    A partir de agosto o Ministério do Trabalho vai utilizar drones no combate ao trabalho escravo no Brasil. Os aparelhos voadores não tripulados inicialmente vão ajudar os auditores-fiscais do Trabalho nas operações de monitoramento de locais de difícil acesso no Estado do Rio de Janeiro.

    De acordo com o chefe do Setor de Planejamento da Seção de Segurança e Saúde no Trabalho, da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Rio de Janeiro, Raul Vital Brasil, os equipamentos não vão substituir os auditores-fiscais, mas vão atuar em conjunto em três frentes de ação, na área rural, no meio aquaviário e na construção civil. “Os drones vão ser muito úteis não para substituir os auditores, mas sim como um complemento nas fiscalizações em que a observação aérea vai ser importante para a localização dos trabalhadores e verificar qualquer tipo de risco que exista no território”, diz Vital Brasil. “Nós vamos usar os drones no trabalho escravo rural, principalmente quando as fazendas estão fechadas. Vamos poder sobrevoar antes para ver onde estão os trabalhadores, para ver se existe escolta armada. Também vamos usar no meio aquaviário, principalmente nas embarcações que tentam se esconder em canais. E outro local de utilização será nas obras, principalmente obras de infraestrutura, porque vamos poder sobrevoar as áreas para ver o estágio dessas obras, para ver se é o melhor momento para agir com a fiscalização.”

    Raul Vital Brasil explica que a ideia é utilizar o equipamento nas operações de fiscalização contra o trabalho escravo em todo o Brasil, mas no Rio de Janeiro vão ser utilizados em fase de testes, porque o uso de drones ainda não é regulamentado no país. “Nós já fizemos contato com a ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil, iniciamos o pedido de entendimento para ter essa autorização para utilizar. Por isso, por enquanto, os drones vão ser utilizados como testes, em locais ermos, sem população, sem colocar ninguém em risco, sempre com bom senso e segurança.”

    O auditor-fiscal informa ainda que a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Rio de Janeiro recebeu seis drones, doados pelo Ministério Público do Trabalho. Um dos equipamentos vai ser doado para a Polícia Rodoviária Federal, instituição parceira no combate ao trabalho escravo rural e urbano. Os policiais também participaram do treinamento junto com os auditores para aprender a manusear os drones.

    Segundo Raul Vital Brasil, cada aparelho modelo Inspire 1 possui uma câmara capaz de fotografar e filmar em resolução de 4K (Ultra HD). Os voos duram cerca de 20 minutos, com alcance de aproximadamente dois quilômetros e a cerca de 70 metros de altura.

    O chefe do Setor de Planejamento da Seção de Segurança e Saúde no Trabalho chama a atenção para o avanço do trabalho escravo que está saindo do meio rural para a região urbana. “No princípio, nós tínhamos uma predominância no meio rural. Hoje, já se percebe o trabalho escravo no meio urbano, principalmente em obras que usam alojamentos, em pastelarias, e agora muito forte na área de pesca.”

    Segundo o Ministério do Trabalho, em 2014 foram realizadas 248 operações de fiscalização de combate ao trabalho escravo no Brasil, em que mais de 1.600 trabalhadores em condição semelhante à de escravos foram resgatados.

    Tags:
    Inspire 1, Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), Raul Vital Brasil, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik