13:45 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Jatos Chengdu J-10, da Força Aérea Chinesa, durante o Airshow China 2014, realizado na cidade de Zhuhai em novembro passado

    China analisa desenvolvimento de novo bombardeiro de longo alcance

    © AFP 2017/ JOHANNES EISELE
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    11231333

    A China está planejando desenvolver um novo bombardeiro de longo alcance capaz de realizar ataques em zonas distantes do Oceano Pacífico, segundo afirma a mídia do país.

    Durante uma reunião do Ministério da Defesa nesta segunda-feira, as autoridades chinesas discutiram a necessidade de ter uma nova aeronave de combate que possa operar com sucesso até a "segunda cadeia de ilhas", área que se estende das Curilas, ao Norte do Japão, até a Indonésia. Para isso, de acordo com o China Daily, a Força Aérea chinesa deve se empenhar na criação de um bombardeiro com um alcance mínimo de 8 mil km e capaz de voar sem precisar reabastecer, carregando mais de 10 toneladas de armamentos. 

    O projeto para um avião desse tipo, escreve o jornal, está em desenvolvimento no 603º Instituto de Design de Aeronaves (parceiro da Corporação Industrial de Xi'an) desde a década de 1990. E várias peças do veículo, que terá um design similar ao do americano B-2, já estariam sendo produzidas. 

    Segundo o Livro Branco da Defesa da China, ao longo do ano de 2015, as Forças Armadas do país irão aumentar as suas capacidades de "alerta estratégico, ataque aéreo, defesa aérea e antimísseis, contramedidas de informação, operações aéreas em geral, projeção estratégica e suporte abrangente". 

     

    Mais:

    Bombardeiro pesado Tu-160 será invisível a defesas antiaéreas
    Rússia vai renovar produção de bombardeiro supersônico
    Chefe da Força Aérea russa fará voo em bombardeiro estratégico sobre a Praça Vermelha
    O reabastecimento invisível do bombardeiro estadunidense
    Tags:
    Bombardeiro, Defesa, aviação, Corporação Industrial de Xi'an, 603º Instituto de Design de Aeronaves, China Daily, Pacífico, Curilas, China, Japão, Indonésia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik