14:08 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Instituto de Física Nuclear

    Cientistas russos vão produzir ‘recheio’ para pilhas nucleares

    © Sputnik / Aleksandr Kryazhev
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 181
    Nos siga no

    Os cientistas da Universidade politécnica de Tomsk (cidade na Sibéria) vão produzir um lote experimental de recheio para fontes de energia nuclear em uma das fábricas da corporação estatal Rosatom, disse a agência RIA Novosti o chefe do Departamento de Física Técnica, Igor Shamanin.

    O projeto da produção de pilhas elétricas, que usam a energia de decaimento beta do radioisótopo Níquel-63, se tornou um dos vencedores do concurso do Ministério da Educação e Ciência da Rússia. Este projeto permitirá criar nova geração de produtos eletrônicos autônomos e de tecnologia médica.

    “Vamos produzir o radioisótopo Níquel-63 do radioisótopo Níquel-62 no nosso reator nuclear. Isso é um isótopo instável, puro beta-emissor com baixa energia de radiação e com período de semidesintegração relativamente longo. Nesta base, se pode criar as pilhas nucleares, que servirão 50 anos”, disse o professor.

    Segundo ele, a Universidade de Tomsk tornou-se a única organização de pesquisa que pode irradiar os alvos, que consistem de isótopos estáveis Níquel-62. O custo da operação é 4,5 milhões de rublos, e o primeiro lote será produzido no ano que vem.

    Shamanin observou que a necessidade de pilhas com longa vida útil é muito alta. Por exemplo, tais fontes autónomas são necessárias para fornecer energia aos satélites.

    “Agora satélites são alimentados por painéis solares volumosos. Eles são muito caprichosos e mal protegidos, por exemplo, da chuva de meteoros. Por sua vez, a pilha nuclear é muito compacta e fornece eletricidade por 50 anos, e por isso o satélite poderá funcionar independentemente quer esteja na sombra ou não”, explicou o cientista.

    Ele também notou que tais fontes da energia podem ser usadas em outros aparelhos, por exemplo, nos marcapassos.

    Tags:
    Física Nuclear, universidade, cientistas, Sibéria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar