15:35 21 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    7206
    Nos siga no

    Presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), senador Davi Alcolumbre diz estar sendo atacado para marcar a sabatina de André Mendonça, indicado a ocupar uma vaga no Supremo Tribunal Federal.

    O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), afirmou nesta quarta-feira (13) que não aceitará ser ameaçado ou chantageado para marcar a sabatina do ex-chefe da Advocacia Geral da União (AGU) André Mendonça, indicado a uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF) pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

    "Tenho sofrido agressões de toda ordem. Agridem minha religião, acusam-me de intolerância religiosa, atacam minha família, acusam-me de interesses pessoais fantasiosos. Querem transformar a legítima autonomia do presidente da CCJ em ato político e guerra religiosa. Reafirmo que não aceitarei ser ameaçado, intimidado, perseguido ou chantageado com o aval ou a participação de quem quer que seja", lê-se na nota divulgada por Alcolumbre e reproduzida pela revista Veja.

    Horas antes, Bolsonaro acusou Alcolumbre de afrontar a Constituição ao travar a sabatina de Mendonça, indicado há três meses: "Eu ainda aguardo a sabatina do André Mendonça no Senado Federal. Ele [Alcolumbre] age fora das quatro linhas da Constituição".

    Ex-ministro da Justiça do Brasil, André Mendonça
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    Ex-ministro da Justiça do Brasil, André Mendonça
    Segundo o presidente da CCJ, no momento tramitam "cerca de 1.748 matérias" na comissão, "todas de enorme relevância para a sociedade brasileira". O senador ponderou que a prioridade do Legislativo "deve ser a retomada do crescimento, a geração de empregos e o encontro de soluções para a alta dos preços que corroem o rendimento dos brasileiros".

    O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, negou, na segunda-feira (11), o pedido para marcar a sabatina de Mendonça após os senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Jorge Kajuru (Podemos-GO) entrarem com um mandado de segurança. De acordo com o magistrado, a sabatina é competência do Congresso.

    Mais:

    Bolsonaro volta a defender fuzil ao invés de feijão e convoca ministros do STF para 7 de setembro
    Apoiadores de Bolsonaro consideram STF maior inimigo que a esquerda, revela pesquisa
    Fux critica judialização e diz que STF só interfere em questões políticas quando é provocado
    Documentos sigilosos: PF pede ao STF prorrogação de inquérito contra Bolsonaro por vazamento
    Tags:
    Supremo Tribunal Federal, Supremo Tribunal Federal (STF), Davi Alcolumbre, CCJ, Ricardo Lewandowski, Brasil, Bolsonaro, Jair Bolsonaro, governo bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar