22:31 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    121
    Nos siga no

    A Polícia Federal iniciou uma operação nesta sexta-feira (1º) para fazer cumprir diversos mandados de busca e apreensão relacionados à investigação do ataque a agências bancárias em Araçatuba, em São Paulo.

    De acordo com as autoridades, os mandados de busca já foram emitidos pela Justiça Federal, informa o portal G1.

    Na madrugada de 30 de agosto de 2021, criminosos fortemente armados atacaram três agências bancárias no Centro de Araçatuba. Mais de 50 homens participaram dos ataques. Os bandidos conseguiram levar dinheiro em duas das agências.

    O grupo teria uma caminhonete carregada de explosivos, tendo espalhado pela cidade várias bombas e granadas para impedir a aproximação da polícia e dos moradores, conforme conta o R7.

    O grupo teria utilizado carros de luxo blindados, e vários civis foram usados como escudo humano e colocados em cima dos veículos. A quadrilha também usou um drone para monitorar a chegada da polícia. A ação durou duas horas, entre ataque às agências, tiroteio e fuga.

    No final, tamanho crime deixou três pessoas mortas e cinco feridas, e no total, somente oito pessoas foram identificadas e presas por envolvimento criminoso. Para além disso, mais de 100 engenhos explosivos foram desarmados na região.

    Por enquanto, ainda não há informações sobre os materiais que acabaram sendo apreendidos, mas as equipes de investigação têm coletado dados para identificar e deter os membros da organização criminosa.

    Mais:

    Bundestag: resultado da eleição traz mais dificuldades para relação Alemanha-Brasil, avalia analista
    Assembleia de São Paulo quer criar CPI para investigar condutas da Prevent Senior, diz Doria
    'Estamos ganhando tração': novo embaixador do Brasil na Rússia quer retomar visitas bilaterais
    Tags:
    Brasil, São Paulo, Araçatuba, assalto, organização criminosa, vítimas, investigação, Polícia Federal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar